22 dezembro, 2006


Luiz Claudio Latgé, diretor da Globo em São Paulo, mandou brasa para revidar a carta de despedida de Rodrigo Vianna. Em uma nota divulgada hoje afirma:
“Fizemos uma cobertura eleitoral intensa e democrática, com a abertura de espaços em todos os nossos telejornais para todos os partidos, que mais de uma vez reconheceram nossa isenção e a importância do serviço prestado ao público. Não inventamos uma pilha de dinheiro na mesa da Polícia Federal. Já saímos a público antes para refutar estas teorias conspiratórias produzidas por grupos políticos e jornalistas descompromissados com a verdade. Nosso noticiário em nada foi diferente dos demais veículos de imprensa de importância. De setembro a outubro, demos 20 reportagens sobre Abel Pereira e Barjas Negri. Todos os assuntos foram investigados, sim, e noticiados segundo o seu grau de relevância. Tudo o que fizemos foi exposto ao juízo do público em nossas edições diárias. Nossa isenção jornalística foi elogiada em artigos até por veículos de grupos concorrentes.”
Acredito em você!
A propósito, como está o Gepeto? Sumiu do mapa!!!

4 comentários:

almeida disse...

è verdade , se não fosse a globo, estaríamos anos luzes de crescimento deste país, a famigerada plim plim inventou um tal de Collor e atrasou nossa vida em 12 anos...

Já pensou Lula governando este país lá atrás, como estaríamos hoje, quantos ganhos sociais, políticos, culturais e de trabalho não perdemos neste tempo todo.

Bah ! Dê ca minha piça... é piça mesmo.

Daniel Lopes disse...

Boa!!! Muito boa!!!

Renan Kalil disse...

Ok,

primeiro: "teorias conspiratórias produzidas por grupos políticos e jornalistas descompromissados com a verdade". É, mas não foi a Globo que no dia em que caiu o avião da Gol e a PF divulgou as fotos (ilegalmente, diga-se de passagem, via o delegado Bruno)do $ cobriu unica e exclusivamente o último? Isonomia né?

Segundo: "Todos os assuntos foram investigados, sim, e noticiados segundo o seu grau de relevância". Certo, quem define o que é relevante? Os interesses econômicos da Globo, a tentativa de jogar cada vez mais pro buraco a candidatura do Lula pro Alckmin subir ou o que o povo queria de fato saber? Será que foi coincidência o fato do Alckmin ter tido menos votos no segundo turno? Ou será que o peso dado pela mídia no negócio do dossiegate não foi decisivo pra ida do tucano ao seguno turno, inflando artificialmente sua candidatura para passar vergonha no segundo turno?

Enfim, interrogações...

Daniel Lopes disse...

Boa Renan!!!