30 setembro, 2007

Atividade no Pq. das Laranjeiras

O Movimento Hip Hop Rima e Revolução, organizou atividade na Escola do Bairro Parque das Laranjeiras.
O encontro foi um sucesso!
O coordenador do Movimento Rima e Revolução, Josué de Lima, considerou de suma importância a participação da população!
Parabéns, Josué!!! Arrebentou!!!


Participaram dos debates: Professor Assis, de Karatê; Professor Alemão, de Capoeira; Toninho, do Movimento Largue de Fumar em 5 dias; além de mim!

Grileiros privilegiados e a reforma latifundiára

Dalmo Dallari - Jurista e professor da Faculdade de Direito da USP

"Vender grandes extensões de terras públicas a grileiros ricos, sem fazer a licitação que a Constituição exige para as alienações, é flagrantemente inconstitucional, além de ser imoral e contra o interesse público, pois o patrimônio do povo estará sendo entregue, mediante o pagamento de um preço que poderá ser bem menor do que o valor real, a quem teve a ousadia e os meios para invadir uma grande área pública.(...)"

Para ler na íntegra, clique no título
No jornal Bom Dia de hoje (domingo), matéria sobre jovens na política!
Nesta entrevista, afirmo que o desinteresse do jovem pela política é consequencia da precarização do ensino, além do fato de termos grandes responsabilidades muito precocemente.

Juiz desonesto e tucano: eufemismo?

Um relatório da Polícia Federal no inquérito do valerioduto tucano aponta que o advogado do publicitário Marcos Valério, Rogério Lanza Tolentino, teria recebido dinheiro do suposto esquema entre agosto e outubro de 1998.

Na época, Tolentino era juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais e teria recebido a quantia durante a campanha do então governador Eduardo Azeredo (PSDB) que tentou, sem êxito, a reeleição.

As informações são do jornal “Folha de S.Paulo”.

O advogado teria votado favoravelmente o governador em decisões tomadas em datas próximas a supostos depósitos em sua conta e de sua mulher, Vera Maria Soares Tolentino.

O relatório da PF indica que, entre agosto e outubro de 1998, cinco pagamentos no total de R$ 302.350 teriam sido feitos ao juiz e sua mulher.

* * * * * * *

Acuado com as acusações, o senador Eduardo Azeredo (PSDB/MG), entregou a rapadura e envolveu o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Segundo divulgou a agência Carta Maior, as declarações do senador Eduardo Azeredo (PSDB/MG), envolvendo o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso no esquema de caixa-dois de sua campanha para o governo de Minas Gerais em 1998, causaram um terremoto dentro do partido, desencadeando uma operação para isolar e silenciar Azeredo o mais rápido possível.

Lideranças tucanas fizeram fila, quarta-feira, para rebater as declarações do senador mineiro.

“O senador não poderia ter dito isso. Está me obrigando a responder algo surrealista. Envolver o presidente (FHC) nesse episódio é o mesmo que envolver o presidente Bush”, disse Arthur Virgílio (AM), líder do PSDB no Senado. Virgílio não explicou porque seu colega de partido “não poderia” ter dito o que disse.

O presidente nacional do PSDB, Tasso Jereissati (CE), recorreu à psicologia para explicar as declarações de Azeredo. Segundo ele, as declarações de Azeredo ao jornal Folha de São Paulo são uma demonstração de indignação e transtorno mental.

* * * * * * *

Dizem que sou louco...

28 setembro, 2007

O retorno de Jedi

Depois de mais de uma semana sem postar no blog, voltei.

Problemas técnicos.

Vejo postagens polêmicas do Fábio, extensas do Eliton (mas muito esclarecedoras) e o Daniel sempre dando os informes.

Enquanto estive afastado, tramei idéias. Conspirando com meus companheiro de blog.

Aguardem, em breve, Abacoros!

Que a força esteja com vocês!

Radio Usp

Ouça a Rádio Usp enquanto trabalha!
Agradabilíssima!!!

Nossa moderna agroindústria

No dia 30 de junho houve a maior libertação de trabalhadores em regime escravo depois da abolição da escravatura. Ao todo, 1.064 lavradores, trabalhavam em condições precárias para a agroindústria Pagrisa, seus contra-cheques apresentavam valores baixíssimos, a maioria com valores que não superavam R$10,00, outros recibos exprimiam-se em centavos e até mesmo rendimentos negativos. Todos atuavam na lavoura de cana-de-açúcar e foram resgatados pelo Grupo Móvel de Fiscalização do Ministério do Trabalho.

No entanto, um grupo de senadores esta pressionando para que o grupo móvel deixe de fiscalizar as fazendas suspeitas de empregar mão-de-obra escrava: Romeu Tuma (DEM-SP), Flexa Ribeiro (PSDB-PA), Kátia Abreu (DEM-TO), Cícero Lucena (PSDB-PB) e Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) fizeram uma visita à fazenda no último dia 20 e prometeram entrar com um pedido de inquérito na Polícia Federal contra as práticas de atuação do Grupo Móvel.

Kátia Abreu afirmou que a empresa Pagrisa ''é muito bem administrada e forma uma comunidade de trabalhadores rurais'' (vermelho.org.br)

A boa administração citada pela senadora era garantida por homens armados.

A horta que vendia alimentos aos trabalhadores era irrigada com "fertilizante natural" encanado diretamente do esgoto dos próprios alojamentos.

Tudo o que eles consumiam era comprado ali mesmo a preço inflacionado que os mantinha constantemente endividados.

Vale lembrar que no ano passado o Congresso aprovou a famigerada Emenda 3 que proibia, entre outras coisas, a fiscalização de fazendas pelo Ministério do Trabalho. A emenda foi derrubada por veto presidencial posteriormente, sob forte oposição de PSDB, PFL, PMDB e do Partido da Mídia.

Muitas fazendas têm sido autuadas nos últimos anos, a grande mídia sequer noticia tais fatos, no entanto, qualquer atividade do MST e logo estampada nas capas dos jornais e tratado como ato de terrorismo pela mídia.

27 setembro, 2007


Gabriel

Passadas quase duas semanas da saída de Gabriel do PT, não sabemos ainda quais motivos realmente o levaram a deixar o partido e ir para o PCdoB.

a) Sabemos que o Gabriel não tinha divergência ideológicas com o PT, muito menos possui convergências com o Partido Comunista, ele não é comunista, nem estava mais à esquerda do que o campo majotritário do partido;

b) Até pouquíssimo tempo Gabriel gravitou em torno desse campo majoritário;

c) Gabriel possuía uma salgada dívida de campanha que ele não conseguia saldar estando no PT, sem pagar a dívida ele não poderá ser candidato e o PCdoB não tem condições de pagá-la;

d) Gabriel sabe que não seria eleito pelo PCdoB e o rompimento com o PT não é bom;

e) Gabriel levou consigo apenas dois de seus parceiros mais próximos e não entrou em polêmicas com o PT e seus maiores aliados petistas continuam filiados;

Existem várias hipóteses para o que tenha contribuído para a decisão do Gabriel:

1ª Sabendo que não seria candidato no PT Gabriel foi para o PCdoB para forçar um bom acordo numa chapa como vice do PT, desde que a prefeita seja Iara Bernbardi;

2ª Gabriel sabe que seria muito mais fácil ser eleito deputado estadual pelo PCdoB que pelo PT, ele teria feito o mesmo raciocínio que Raul Marcelo (Psol) quando saiu saiu do PT;

3a Ou simplesmente, como andam dizendo por ai, alguém pode ter prometido pagar sua dívida para que ele dividisse os votos do PT, motivo que também foi cogitado em 1996 quando Nildo Leite (PSB) se candiodatou a prefeito rachando a base do PT, o que supostamente também teria sido articulado entre PCdoB e PSDB;

Porque não haverá ataque ao Irã

Invadir o Irã como vem ameaçando o governo Bush não é tão fácil como ele pretende demonstrar:

O Irã mantém o controle sobre grande parte dos líderes xiitas no Iraque (maioria) e os EUA têm consciência que a paz no Iraque depende do Irã;

O Irã mantém grande influencia sobre a Síria, país inimigo dos EUA;

Os iranianos são os principais fornecedores de petróleo para a China e uma crise na economia chinesa poderia desencadear uma crise na economia mundial;

O pais dos Aiatolás tem acesso fácil ao estreito de Ormuz, por onde passam 80% do óleo cru proveniente do Golfo Pérsico (Kuait, Arábia Saudita, Irã e Iraque), disseminar minas anti-navio é uma tarefa muito rápida que pode parar a economia mundial em alguns dias;

Teerã dispõe também de mísseis balísticos Shehab-3 com um alcance de até 1.500 quilómetros que podem bater alvos no território de Israel, principal aliado dos EUA;

Existe ainda o recentemente constituido “corpo de kamikadzes” ( 40 mil efetivos), dispostos a se explodirem contra alvos dos EUA. Eles apareceram em público durante um desfile militar em 13 de fevereiro;

Por outro lado, o alto grau de perigo representado pelo Irã pode favorecer uma concertação no oriente médio que contribua para a retirada das tropas dos EUA do Iraque, visto que o Irã é tido como última possibilidade e única força política capaz de neutralizar a guerra civil no Iraque. Se os EUA continuarem no Iraque a guerra não terá um fim próximo e mais cedo ou mais tarde o conflito com o Irã se tornara inevitável, a não ser que seja usado o arsenal nuclear para aniquilar o Irã antes que ele possa reagir.

26 setembro, 2007

terceira idade viaja de graça em onibus interestadual

Meus pais acabaram de chegar de uma viagem ao Paraná, estado em que viveram grande parte de suas vidas e onde nasceram todos os meus irmãos. Como eles já passaram dos 60 anos de idade foram beneficiados por uma medida do governo federal que disponibiliza uma parte dos lugares em ônibus interestaduais para os idosos.

SEJA INTELIGENTE, NÃO SEJA JABOR

A geração de homens que lidam com a cultura que viveu sob a Ditadura Militar adquiriu um cacoete. Sob a Ditadura, ficavam indignados de ver a população, na sua maioria, aceitando o regime, e então atacavam não só o governo que não gostavam, mas também os modos do povo brasileiro, pois identificavam naqueles modos um aval para a própria Ditadura Militar.

Não foram poucos os que se livraram disso. Mas há os que ainda raciocinam assim, mesmo que o governo não seja mais a Ditadura Militar. Não gostam do Presidente e de seu partido, e então acham que o brasileiro é o espelho do governo. É um modo errado de entender as sociedades. Ninguém é igual ao que a gente não gosta só por que não fica protestando o dia todo contra o que a gente não gosta. E esse é o erro fatal de Jabor. Ele tem lá suas mágoas contra o PT e contra o Lula – quem não tem? – e então, não contente em atacar quem é de direito, partiu para um briga maior. Ele está de mal com o mundo, e resolveu ficar de mal com o brasileiro.

Ponto a ponto, vou levantar dúvidas sobre o que ele disse a respeito do “brasileiro”. E em nenhum momento vou usar contra Jabor o instrumento da burrice, que é o “não se deve generalizar”. Quem diz que não se deve generalizar não sabe escrever. Jabor está correto ao criar “o brasileiro”. E vou me manter nessa abstração sociológica – ou quase isso. Mas vou tentar mostrar que uma outra abstração, muito mais positiva, está correta.

O texto dele foi feito por itens, aos quais ele acrescenta, no final, a palavra-sentença “mentira”. Eu vou tecer considerações abaixo de cada um dos itens. Os itens dele estarão aspados. Além disso, coloco as iniciais nas frases dele e nas minhas, para diferenciar e facilitar o leitor.

“Verdade está na cara, mas não se impõe.” (AJ)

Prefiro: a verdade nunca está tão na cara, e muitas vezes nós a engulimos por imposição, embora eu, em particular, goste de viver em lugares onde a verdade seja resultado de conversação, não de força. (PGJr)

“Brasileiro é um povo solidário. Mentira.” (AJ)

O brasileiro não é mais solidário que povos com tradição comunitarista, mas é bem mais solidário do que muitos outros povos. Principalmente nas cidades grandes, ao contrário do que parece. Todos nós vemos como que São Paulo se mobiliza em favor dos desabrigados, quando há catástrofes. E como isso se repete no Rio. Não somos só nós que notamos isso, os estrangeiros que aqui ficam dizem isso, quando convivem um pouco mais tempos conosco. E quando trabalhamos no exterior, podemos comprovar isso. Nossa solidariedade, inclusive, é celebrada pelas comunidades que brigam lá fora, mas que aqui, são unidas. (PGJr)

“Brasileiro é babaca. Eleger para o cargo mais importante do Estado um sujeito que não tem solidariedade e preparo nem para ser gari, sóporque tem uma história de vida sofrida; pagar 40% de sua renda emtributos e ainda dar esmola para pobre na rua ao invés de cobrar dogoverno uma solução para pobreza; aceitar que ONG's de direitos humanos fiquem dando pitaco na forma como tratamos nossacriminalidade... Não protestar cada vez que o governo compra colchõespara presidiários que queimaram os deles de propósito, não é coisa degente solidária. É coisa de gente otária.” (AJ)

Brasileiro não é otário por apostar nos outros com história. Lula foi uma aposta. Muitos votaram nele dizendo: FHC controlou a inflação, agora, um cara que foi pobre, vai consertar o outro lado, que é injustiça social. Fazer essa aposta não é coisa de gente otária ou babaca, é coisa de gente esperançosa e que sabe viver em democracia. Agora, o brasileiro se indigna sim, que se compre colchões para presidiários, mas ele sabe que na cadeia não estão animais. E nem animais nós tratamos mal. Muitos brasileiros honestos já estiveram na cadeia. Então, pesam isso na hora da defesa de direitos humanos. Só os fascistas acham que quem está na cadeia deve sofrer mais do que já se sofre por estar enjaulado. Quanto a imposto, o brasileiro paga menos impostos do que outros povos. Se olharmos Israel ou os Estados Unidos, perceberemos isso. Todo mundo reclama de pagar imposto em qualquer país do mundo, O brasileiro também reclama – e reclama certo. Ele espera que os ricos paguem mais que a classe média e os pobres. Mas o brasileiro gosta de que isso venha em forma de lei, e vota nos candidatos que querem tal transformação. É visível o descontentamento do brasileiro quanto ao destino de seus impostos. Mas ele paga. Pagar é de lei, enquanto a lei não muda. O brasileiro não é otário por seguir a lei. Ele é honesto. (PGJr)
“Brasileiro é um povo alegre. Mentira.” (AJ)

“Brasileiro é bobalhão. Fazer piadinha com as imundices que acompanhamos todo dia é o mesmo que tomar bofetada na cara e darrisada. Depois de um massacre que durou quatro dias em São Paulo, ouvir o José Simão fazer piadinha a respeito e achar graça, é o mesmoque contar piada no enterro do pai. Brasileiro tem um sério problema.Quando surge um escândalo, ao invés de protestar e tomar providênciascomo cidadão, ri feito bobo.” (AJ)

Brasileiro é alegre sim. De bobalhão não tem nada. Todo começo de ano as pesquisas mostram que o brasileiro está mais feliz que outros povos e com mais esperança. E quando o brasileiro passa por problemas como o do PCC, do masssacre, ele reage. Todos ficaram indignados. Mas é um sinal de inteligência saber rir de si mesmo, e das circunstâncias difíceis. A piada do Zé Simão às vezes não é só um modo de suportar a dor ou amenizar as coisas, muito menos é um modo de ser bobo, é uma forma aguda de crítica social. Os Estados Unidos usam o cinema para a auto-crítica mordaz. Nós usamos o humor televisivo e jornalístico – um dos melhores do mundo. Não rimos feito bobos, de modo algum. Rimos com inteligência e coragem. Só o brasileiro tem o humor agudo a ponto de conseguir reverter quadros deprimentes, fazer piada para, então, acalmar os ânimos e seguir em frente. Muitas das vezes que resolvemos situações delicadas, fizemos isso por conta de conseguirmos fazer humor. Nossos cartunistas fizeram parte da linha de frente das batalhas contra a ditadura e, agora, contra a corrupção. Nossos cartunistas foram muitos mais rápidos do que quaisquer outros, no mundo, em poder criticar a esquerda, acostumados a só criticar a direita. Quem não ri, este sim, é tomado com bobo em qualquer cultura – é o cara que não entende a piada. É o tonto. O tonto é o cara que não entende a piada. E a vida, mesmo trágica, é cômica, sabemos disso. O brasileiro é excelente nessa auto-crítica. (PGJr)

“Brasileiro é um povo trabalhador. Mentira.” (AJ)
“Brasileiro é vagabundo por excelência. O brasileiro tenta se enganar,fingindo que os políticos que ocupam cargos públicos no país, surgiram de Marte e pousaram em seus cargos, quando na verdade, são oriundos dopovo. O brasileiro, ao mesmo tempo em que fica indignado ao ver umdeputado receber 20 mil por mês, para trabalhar 3 dias e coçar o sacoo resto da semana, também sente inveja e sabe - lá no fundo - que seestivesse no lugar dele faria o mesmo. Um povo que se conforma emreceber uma esmola do governo de 90 reais mensais para não fazer nadae não aproveita isso para alavancar sua vida (realidade da brutal maioria dos beneficiários da bolsa família) não pode ser adjetivada deoutra coisa que não de vagabundo.” (AJ)

Qualquer pesquisa da OIT mostra que o brasileiro é uma pessoa que tem uma jornada de trabalho longa, e que começa muito cedo. Receber bolsa família, se oferecida, não é sinal de má vontade. Quem não receberia? Agora, todos sabemos, olhando para a nossa vizinhança, quem não trabalha. E quem não trabalha fica estigmatizado logo. Isso deixa claro, mesmo para quem não acredita em estatísticas, que o trabalho é um elemento positivo em nossa sociedade. E que os jovens pedem em suas reivindicações senão trabalho? (PGJr)

“Brasileiro é um povo honesto. Mentira.” (AJ)
“Já foi; hoje é uma qualidade em baixa. Se você oferecer 50 Euros a um policial europeu para ele não te autuar, provavelmente irá preso. Nãopor medo de ser pego, mas porque ele sabe ser errado aceitar propinas.O brasileiro, ao mesmo tempo em que fica indignado com o mensalão,pensa intimamente o que faria se arrumasse uma boquinha dessas,quando na realidade isso sequer deveria passar por sua cabeça.” (AJ)

Brasileiro é honesto. A corrupção que vemos no Brasil não é tão maior do que em outros países se notarmos o tipo de vida que os nossos funcionários “de rua” possuem. Nossos policiais de rua ganham pouco. Nossos professores que ficam em sala de aula ganham pouco. Todos que enfrentam o mais duro, ganham pouco. É um milagre que a corrupção seja só esta que vemos diante do salário que essas pessoas possuem. E mais, você nota a honestidade do brasileiro na cidade de São Paulo. Ele pega um dinheiro que caiu ao chão para devolver. Se há gente desonesta, que tenta um assalto, há vinte ao seu lado, avisando e tentando dizer “cuidado com a bolsa”, “faça isso e aquilo”. O brasileiro não é tonto de jogar dinheiro fora, se o recebe. Mas ele pensa sempre, em primeiro lugar, em ganhar menos, mas honestamente. Há muito mais gente ensinando os filhos a não roubar do que ensinando a roubar. E por isso nossa sociedade funciona, mesmo quando estamos sob governo ruim. (PGJr)

“90% de quem vive na favela é gente honesta e trabalhadora. Mentira.” (AJ)
“Já foi. Historicamente, as favelas se iniciaram nos morros cariocas quando os negros e mulatos retornando da Guerra do Paraguai ali se instalaram. Naquela época quem morava lá era gente honesta, que não tinha outraalternativa, e não concordava com o crime. Hoje a realidade é diferente. Muito pai de família sonha que o filho seja aceito como 'aviãozinho'do tráfico para ganhar uma grana legal. Se a maioria da favela fossehonesta, já teriam existido condições de se tocar os bandidos de lá para fora, porque podem matar 2 ou 3, mas não milhares de pessoas.Além disso, cooperariam com a polícia na identificação de criminosos,inibindo-os de montar suas bases de operação nas favelas.” (AJ)

O favelado não é mais nem menos honesto que outros. E ele pega o emprego que existe. Ele prefere trabalhar sem arma em punho, e que não seja na ilegalidade. Mas quando ele nasce nisso e outras oportunidades não aparece, ele trabalha nisso. Muitos bolivianos trabalham em plantação de cocaína, mas não ensinam seus filhos a roubar. O mesmo ocorre na favela: há regras,há justiça, há formas de honestidade. Mas não haverá nunca um dia em que todos na favela sairão às ruas dizendo: “vamos parar de traficar agora!” Nunca houve algo assim na história. Para que isso possa ser vislumbrado, é necessário que exista alternativa de vida. Onde há, já ficou provado, o brasileiro opta pela situação menos tensa, mais acomodada, mais legal e honesta. Agora, o favelado às vezes coopera com a polícia, sim, contra os bandidos. Mas e as conseqüências? Ele agüenta? Sozinho? Mesmo os policiais, muitos deles precisam fazer acordos com bandidos, para não terem suas famílias dizimadas. O brasileiro é honesto, e antes de tudo, é um sobrevivente. O brasileiro da favela, muitas vezes, é um herói. Jabor e cineastas brasileiros gostam de falar que são heróis no cinema, este cinema ruim que fazem, mas não reconhecem o valor desse pessoal na realidade (PGJr).

“O Brasil é um pais democrático. Mentira.” (AJ)
“Num país democrático a vontade da maioria é Lei. A maioria do povoacha que bandido bom é bandido morto, mas sucumbe a uma minoriabarulhenta que se apressa em dizer que um bandido que foi morto numatroca de tiros, foi executado friamente. Num país onde todos tem direitos, mas ninguém tem obrigações, não existem democracia e sim,anarquia.” (AJ)

O Brasil é democrático. As pessoas que querem bandidos na cadeia são a maioria? Sim, e daí, o que tem a ver isso com não ser democrático? A vontade da maioria se faz, na democracia, por canais legais, não por decisão imediata, como passe de mágica. Quem não respeita os trâmites para que as leis se aperfeiçoem, quem não tem paciência, este sim, apela para o autoritarismo. Além disso, a definição de democracia não é a de vontade da maioria. Só uma pessoa muito burra diria isso. Democracia é vontade da maioria sem que existe desrespeito a direitos de minorias. Por isso cada passo é lento. A cada mudança de lei, para fazer valer a vontade da maioria, é necessário fiscalizar se um direito de minoria não está sendo arrebentado. Às vezes podemos achar que para combater uma doença que só pega uma minoria, poderíamos isolar os portadores (uma idéias cubana para tratar da Aids, e que não deu certo), mas aí veremos que isso irá contra o direito deles. As leis de vontade de maioria somente não são leis democráticas. Onde há só a vontade da maioria não existe democracia, existe fascismo. (PGJr)

“Num país em que a maioria sucumbe bovinamente ante uma minoriabarulhenta, não existe democracia, mas um simulacro hipócrita. Se tirarmos o pano do politicamente correto veremos que vivemos numasociedade feudal: um rei que detém o poder central (presidente e suasMPs), seguido de duques, condes, arquiduques e senhores feudais(ministros, senadores, deputados, prefeitos, vereadores). Todos sustentados pelo povo que paga tributos que tem como único fim, opagamento dos privilégios do poder. E ainda somos obrigados a votar.Democracia isso?” (AJ)

Quem é a minoria barulhenta? Ora, quem está na TV, do lado do poder, gritando todo dia, é o próprio Jabor. Fracassado como cineasta, ele tenta imitar Paulo Francis, gritando. E gritando, não consegue imitar. Ele faz parte dos que são barulhentos. Ele é Rede Globo! Pense nisso!(PGJr)
“Pense nisso!” (AJ)

Sim, pense nisso, pense em como Jabor pode ser da Globo e ao mesmo tempo ser barulhento, como se fosse um revolucionário. Mas ele não é, pois todas suas idéias acima são conservadoras”. (PGJr)

“O famoso jeitinho brasileiro. Na minha opinião um dos maiores responsáveis pelo caos que se tornou a política brasileira. Brasileirose acha malandro, muito esperto. Faz um 'gato' puxando a TV a cabo dovizinho e acha que está botando pra quebrar.” (AJ)

O jeitinho brasileiro é uma dádiva. É algo do ‘deixa para lá’, que outros povos mais ofendidos deveriam aprender. Nunca a expressão ‘jeitinho brasileiro’ quis se referir a ser espertalhão. Ela era e é usada – por quem tem alguma cultura – no sentido exato de como foi criada, para espelhar nossa fama, verdadeira, de pessoas que preferem uma saída pela lateral do que o confronto bélico. Todos querem ter a TV. Mas quando o processo é burocrático, lento e o serviço mal feito, o brasileiro pode fazer o tal gato. Mas isso é minoria até mesmo em comunidades carentes. (PGJr)

“No outro dia o caixa da padaria erra no troco e devolve 6 reais a mais, caramba, silenciosamente ele sai de lá com a felicidade de terganhado na loto... malandrões esquecem que pagam a maior taxa dejuros do planeta e o retorno é zero. Zero saúde, zero emprego, zeroeducação, mas e daí?” (AJ)

Taxa e juro e padaria? Bem, não há relação. Mas é característica do pensamento fascista ligar coisas sem nexo, para confundir. E é característica do rico idealizar o povo comum, para melhor ou pior. Jabor, aqui, idealiza para pior. Nunca vi o Jabor em padaria, e olha que ando bem nas ruas de São Paulo e Rio, e não sou novo. Jabor nunca viu uma padaria de pobre, onde o cara manda marcar e paga no dia. Há menos calote do que se imagina. Além disso, ele não sabe bem o que é uma padaria. Na que eu freqüento regularmente, o caixa faz troco errado e as pessoas o corrigem, sempre pagando o certo. Será que nos bairros ricos que o artista global imitador de Francis vai há mais desonestos, daí ele ter dado esse exemplo? (PGJr)

“Afinal somos penta campeões do mundo né? Grande coisa...” (AJ)
Não tem valor ser penta campeão do mundo? Então, qual a razão dos Estados Unidos fazerem um investimento de quarenta anos para poder participar da CoPa? Ser Penta significa abrir portas. O Brasil exporta técnicos e agora vai passar a ser rota de eventos turísticos importantes, ligados ao esporte. Isso foi uma construção do povo brasileiro, que tem mais ou menos 80 anos. (PGJr)

O Brasil é o país do futuro. Caramba, meu avô dizia isso em 1950.Muitas vezes cheguei a imaginar em como seria a indignação e revoltados meus avós se ainda estivessem vivos. Dessa vergonha eles se safaram... Brasil, o país do futuro!? Hoje o futuro chegou e tivemosuma das piores taxas de crescimento do mundo.” (AJ)

Ser o ‘país do futebol’ não significa ganhar sempre, significa que todo mundo aqui é técnico ou jogador. E isso é verdade, tanto é que exportamos jogadores e técnicos. Basta olhar o mundo do futebol para saber que somos o país do futebol. Os ingleses, que criaram o jogo, não são o ‘país do futebol’.

E sobre ser ‘o país do futuro’, a frase não é de um brasileiro. O brasileiro quer viver o presente. Até demais. Seria até melhor que o brasileiro fosse alguém que pensasse mais no futuro. Taxa de crescimento oscila. Governo ruim, taxa ruim – às vezes. Isso pode mudar. A democracia nos dá chance de mudar e ir sempre construindo o futuro (PGJr).

“Deus é brasileiro.” (AJ)
“Puxa essa eu não vou nem comentar... O que me deixa mais triste einconformado é ver todos os dias nos jornais à manchete da vitória dogoverno mais sujo já visto em toda a história brasileira. Parafinalizar tiro minha conclusão:
O brasileiro merece!” (AJ)

Deus não é brasileiro? Ou ele está dizendo que sendo Deus brasileiro, e sendo isso um fardo para ele, merecemos isso, que é uma coisa ruim? Aqui, ele se confunde todo. (PGJr)

O fato de não termos problemas climáticos como os outros povos, furacões e tudo o mais, não é uma dádiva? Os brasileiros, os que acreditam em Deus e os que não acreditam, todos são abençoados. Veja, nossa consciência ecológica ainda é pequena, e queimamos a Amazônia diariamente. Mas, ainda assim, as chances de salvá-la existem. E então, isso não é sinal de que Deus é brasileiro?” (PGJr)

“Como diz o ditado popular, é igual mulher de malandro, gosta de apanhar.” (AJ)

O brasileiro não gosta de apanhar. Tanto é que a reação é aquela que vimos. Collor traiu os eleitores, a população foi para as ruas contra ele. Lula decepcionou: a população lhe deu um segundo mandato, mas não foi comemorar na Paulista – foi um aviso. O brasileiro tem paciência, é de boa índole, mas não apanha não. (PGJr)

“Se você não é como o exemplo de brasileiro citado nesse e-mail, meussentimentos amigos continuem fazendo sua parte, e que um dia pessoasde bem assumam o controle do país novamente. Aí sim, teremos todas as chances de ser a maior potência do planeta. Afinal aqui não temterremoto, tsunami nem furacão. Temos petróleo, álcool, bio-diesel, esem dúvida nenhuma o mais importante: Água doce!” (AJ)

Jabor gosta de ser odiado. Não pode ser amado nem odiado pelos seus filmes. Ninguém os viu. Então, dá uma de fascista (ele nem é tanto assim) para ser comentado. Quando diz que aqui não tem terremoto, faz com ironia tola. É de fato uma benção isso. Tudo que ele falou que temos, ele, na sua mesquinhez, falou no fim. No fundo, ele odeia que tenhamos tudo isso. Ele gostaria que tudo isso só existisse no jardim da casa dele.” (PGJr)
“Só falta boa vontade, será que é tão difícil assim?” (AJ)

Finalmente concordo com ele que falta boa vontade. A dele. Pois o modo como agiu acima, na pseudo-crítica, mostra que é ele que tem má vontade. Não tem projeto, não tem utopia, não sabe ter esperança e não sabe rir – isso o faz uma pessoa típica, aquela que conhecemos como os que estão ‘de má vontade’. No fundo, chego a ficar com pena. Deve ser duro viver nessa amargura que obriga a criar mentiras. (PGJr)

Seja diferente. Jabor adota o fascismo, adote a democracia. Jabor fala asneiras, fale o certo. Seja inteligente, não seja Jabor. (PGJr)
Arnaldo Jabor. (AJ)
Paulo Ghiraldelli Jr. (PGJr.)

PCO, UJR e a crise de identidade da esquerda

O PT passa por uma crise muito grande de identidade.

Na USP existem três militantes da UJR (União da Juventude Revolucionária), se não me engano são ligados ao PCO (Partido da Causa Operária), toda semana sou abordado por um deles que tenta me vender seu jornal por três reais, semana passada a manchete era alguma novidade sobre “o levante operário dos controladores de vôo”, nem quis entrar no mérito da discussão; esta semana trazia na capa algo contra a CPMF, perguntei ao rapaz o que ele tinha contra a famigerada e ele respondeu-me que era contra qualquer tipo de imposto por ser uma forma de sustentar “este Estado corrupto” e ainda mais porque fora criada pelo FHC e mantida pelo Lula. Ele falou em espólio da classe média, etc. Apontei a ele o nome do jornal “A Classe Operária” e perguntei o porquê de eles não estarem discutindo questões como miséria, inclusão digital e alfabetização dos trabalhadores ou outra qualquer, mais relevantes para a classe operária, ele me chamou de petista.

Lembrei de quando o FHC criou a CPMF disfarçada de mecanismo para coibir a lavagem de dinheiro. Lembro-me de como se posicionavam as forças sociais naquele momento: a burguesia com seus sonhos de sociedade cristalizados em FHC não faria nada que desgastasse o seu governo; os trabalhadores eram pouco atingidos, mas participavam do senso comum de que imposto é sempre ruim; o posicionamento crítico mesmo coube à classe média que desde o início “bateu duro”.

O grande curinga naquele caso foi o PT, que estando em lua de mel com a classe média, abraçou cegamente a luta contra a CPMF como se ela fosse a grande bandeira dos trabalhadores em geral, pegaram uma parte da sociedade como se ela fosse o todo. O PT deu importância demasiada para classe dos “formadores de opinião”, a maioria dos economistas do PT que gritaram contra a CPMF no passado hoje a estão defendendo no governo.

Não acredito que o PT tenha traído a classe média em seu governo, mas o casamento se desfez e é fato que ela ficou ressentida, mas também não sei se um governo de qualquer matiz seria capaz de satisfazê-la, o comportamento dela nunca é coerente.

A classe média sempre está no limiar entre a riqueza e a pobreza. Mais do que os pobres, ela almeja ser rica, fantasia uma vida de luxúria e teme a pobreza muito mais que os trabalhadores, sua existência é inconstante. Sua crítica é sempre a mais contundente, mas o seu radicalismo tem um limite bem definido, o pequeno-burguês não sonha com um mundo de igualdade, seu objetivo maior é ser rico e, não existe socialismo, ou melhor, não existe sociedade onde todos são ricos – acreditar na classe média como base para a mudança foi um erro do PT, mas estar ao seu lado garantiu a formação de uma coalizão de forças que levou Lula ao Planalto. As lideranças do PT estão confusas e não sabem qual rumo devem tomar agora, a ruptura esta acontecendo porque o governo não conseguiu manter seu apoio nela, mesmo que queiramos acreditar é que isso tenha acontecido porque o governo se tornou mais popular (que em parte é verdade), o fato é que perdemos o apoio da classe média, e já que estamos desquitados a única solução é radicalizar.

O PT esta naquela fase de meia-idade do pequeno-burguês, rejeitado pela classe média mas ainda apaixonado por ela, não sabe se casa com a empregada ou se dá pro capital. Ou ele avança e caminha ao socialismo ou retrocede e vira mais um partido de aluguel.

24 setembro, 2007

Direito à memória e à verdade

A Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, órgão ligado ao governo federal, lançou recentemente o relatório/livro MORTOS E DESAPARECIDOS POLÍTICOS, considerada o gesto mais importante por parte de um Estado latino-americano no sentido de assumir sua responsabilidade perante a onda de ditaduras que aterrorizou nostra america durante as décadas de 60, 70 e 80 do século XX.
Barbárie política, coordenadas conjuntamente por diversos governos militares em sintonia com a política externa dos EUA, que deixou milhares de mortos e conseqüências sociais e políticas talvez irreparáveis para os povos subjulgados.
Muitos dos homes e mulheres assassinados naquele período sequer tiveram o direito a uma lápide, onde suas famílias possam chorar sua morte.
"Antígona julgava que não haveria suplício maior do que aquele: ver os dois irmãos matarem um ao outro. Mas enganava-se. Um garrote de dor estrangulou seu peito já ferido ao ouvir do novo soberano, Creonte, que apenas um deles, Etéocles, seria enterrado com honras, enquanto Polinice deveria ficar onde caiu, para servir de banquete aos abutres. Desafiando a ordem real, quebrou as unhas e rasgou a pele dos dedos cavando a terra com as próprias mãos. Depois de sepultar o corpo, suspirou. A alma daquele que amara não seria mais obrigada a vagar impenitente durante um século às margens do Rio dos Mortos."
Antígona, personagem de Sófocles, mestre da tragédia grega
Não podemos nos esquecer que aquele período ainda não esta encerrado, a minha geração que nasceu entre o final da década de 70 e o início da dos anos 80, acha que vivemos uma nova era. Engano.
Nós apenas não temos a barbárie política na memóriade, mas essa verdade nos oprime em nossa realidade. Sob a bandeira da anistia (justa), os resistentes que sobreviveram não puderam ser condenados por crime terrorismo ou lesa-pátria, mas, por outro lado, nenhum dos responsáveis pelas torturas, abusos e assassínios foi também julgada. E estão ai presentes na cena política brasileira posando de defensores da moral e da ética, alguns deles dentro da estrutura do próprio governo Lula.
Diferentemente do que dizia o velho Marx a respeito da memória, "A tradição de todas as gerações mortas oprime como um pesadelo o cérebro dos vivos", é o desconhecimento dos mortos daquele período que nos deixa ignorantes sobre o pesadelo que se realizou de 64 a 88 e que nos oprime ainda hoje.

Atalho para o Relatório

Brasil: análise de conjuntura/setembro de 2007

por Pedro A. Ribeiro de Oliveira

"I. Instabilidades de âmbito mundial
É sensível o clima de instabilidade mundial, que se torna bem nítido em quatro grandes campos: a diminuição da hegemonia dos EUA, as diversas formas de violência entre os povos, o desequilíbrio ecológico e a crise financeira global. Este tópico se conclui com uma breve análise dos reflexos dessas instabilidades no processo de integração regional.
Rumo a um mundo multipolar
Assistimos a uma evolução rápida e profunda da paisagem política mundial. Os EUA estão perdendo sua hegemonia (situação na qual o poder é aceito e consentido pelos subalternos, porque acreditam que é exercido em prol do bem geral) e apóiam-se apenas sobre sua força tecnológica e militar. Mas não há outro país ou região capaz de contrabalançá-los. (...)"
para ler esta profunda análise, clique no título

Pondo tempero na Reforma Política

por Wanderlei Guilherme dos Santos

"Falta tempero nas propostas de reforma política. São essencialmente iguais, expõem justificativas semelhantes e todas sustentam que as modificações trarão os mesmos benefícios: fortalecimento dos partidos e extermínio dos políticos trânsfugas e corruptos. Balela. As medidas impõem vetos à troca de partidos, o voto em lista fechada e o financiamento público das campanhas. O político não pode trocar de partido, o eleitor não pode trocar de político e, quem paga imposto, ou troca de país ou paga a conta. Belo arranjo, mas sem tempero. Ao contrário de processos democráticos, cheios de condimentos malemolentes. Cito alguns, colaboração de um anti-reformista radical. A premissa reformista de que o sistema político brasileiro funciona muito mal e requer várias modificações é completamente errada. Não se sustenta em nenhum debate sério. Passou da hora de dizer com todas as letras que o sistema político brasileiro apresenta excelente desempenho democrático no presente momento histórico. Talvez por isso pretendam reformá-lo. (...)

para ler na íntegra, clique aqui;

23 setembro, 2007

Carlos Drummond de Andrade

A Língua Lambe (C.Drummond de Andrade)
A língua lambe as pétalas vermelhas
da rosa pluriaberta; a língua lavra
certo oculto botão, e vai tecendo
lépidas variações de leves ritmos.
E lambe, lambilonga, lambilenta,a licorina gruta cabeluda,
e, quanto mais lambente, mais ativa,
atinge o céu do céu, entre gemidos,
entre gritos, balidos e rugidos de leões na floresta, enfurecidos

A vale é nossa!!!

Clique no título e vote pela estatização da Vale do Rio Doce!!!

R$10 milhões para Sorocaba

O Governo Federal, através do Fundo de Habitação de Interesse Social, ligado ao Ministério das Cidades, estará liberando R$10 milhões para o Jd. Ipiranga.
É um programa de urbanização, regularização e integração de assentamentos precários, promovendo melhorias nas condições de habitabilidade.
Ressalto: R$ 10 000 000 , 00 !!!
Isto é PT!!!

Dez coisas que levei anos para aprender... (Luis Fernando Veríssimo)

1. Uma pessoa que é boa com você, mas grosseira com o garçom ou empregado, não pode ser uma boa pessoa.
(Esta é muito importante. Preste atenção, nunca falha)
2. As pessoas que querem compartilhar as visões religiosas delas com você, quase nunca querem que você compartilhe as suas com elas.
(Tá cheio de gente querendo te converter!)
3. Ninguém liga se você não sabe dançar. Levante e dance.
(Na maioria das vezes quem tá te olhando também não sabe! Tá valendo!)
4. A força mais destrutiva do universo é a fofoca. (Deus deu 24 horas em cada dia para cada um cuidar da sua vida e tem gente que insiste em fazer hora-extra!)
5. Não confunda sua carreira com sua vida. (Aprenda a fazer escolhas!)
6. Jamais, sob quaisquer circunstâncias, tome um remédio para dormir e um laxante na mesma noite.
(Quem escreveu deve ter conhecimento de causa!)
7. Se você tivesse que identificar, em uma palavra, a razão pela qual a raça humana ainda não atingiu (e nunca atingirá) todo o seu potencial, essa palavra seria "reuniões".
(Onde ninguém se entende... Com exceção das reuniões que acontecem nos botecos...)
8. Há uma linha muito tênue entre "hobby" e "doença mental".
(Ouvir música é hobby... No volume máximo às sete da manhã pode ser doença mental!)
9. Seus amigos de verdade amam você de qualquer jeito.
(Que bom!!!!!)
10. Lembre-se: nem sempre os profissionais são os melhores. Um amador construiu a Arca. Um grande grupo de profissionais construiu o Titanic.
(É verdade mesmo !!!)

Plantão em Sorocaba

Trabalhar diretamente com a população carente não é fácil, esta noite atendi uma mãe que estava com uma criança de quatro anos, ainda sem registro de nascimento, quando passa pelo médico a menina não pode ser atendida pelo nome, na ficha só pode sair a seguinte identificação menor de Fulana de Tal.

Duas garotas de programa foram assaltadas e agredidas a golpe de coronhadas, esta madrugada por uma única pessoa na Avenida Ipanema, conversei com uma das vítimas e ela estava com cinco grandes ferimentos na cabeça.

Um outro senhor de mais ou menos 65 anos de idade, disse ter sido agredido duas vezes na mesma noite pelo filho usuário de crack, tentei convencê-lo a procurar a polícia ou pelo menos um abrigo mas ele preferiu voltar para casa.

21 setembro, 2007

SENTENÇA:
A Escola Nacional de Magistratura incluiu, em (30/6), em seu banco de sentenças, o despacho pouco comum do juiz Rafael Gonçalves de Paula, da 3ª Vara Criminal da Comarca de Palmas, em Tocantins.
A entidade considerou de bom senso a decisão de seu associado, mandando soltar Saul Rodrigues Rocha e Hagamenon Rodrigues Rocha, detidos sob acusação de furtarem duas melancias:
"DECIDO:
Trata-se de auto de prisão em flagrante de Saul Rodrigues Rocha e Hagamenon Rodrigues Rocha, que foram detidos em virtude do suposto furto de duas (2) melancias.
Instado a se manifestar, o Sr. Promotor de Justiça opinou pela manutenção dos indiciados na prisão.
Para conceder a liberdade aos indiciados, eu poderia invocar inúmeros fundamentos: os ensinamentos de Jesus Cristo, Buda e Ghandi, o Direito Natural, o princípio da insignificância ou bagatela, o princípio da intervenção mínima, os princípios do chamado Direito alternativo, o furto famélico, a injustiça da prisão de um lavrador e de um auxiliar de serviços gerais em contraposição à liberdade dos engravatados e dos políticos do mensalão deste governo, que sonegam milhões dos cofres públicos, o risco de se colocar os indiciados na Universidade do Crime (o sistema penitenciário nacional)...
Poderia sustentar que duas melancias não enriquecem nem empobrecem ninguém.
Poderia aproveitar para fazer um discurso contra a situação econômica brasileira, que mantém 95% da população sobrevivendo com o mínimo necessário apesar da promessa deste presidente que muito fala, nada sabe e pouco faz.
Poderia brandir minha ira contra os neo-liberais, o consenso de Washington, a cartilha demagógica da esquerda, a utopia do socialismo, a colonização européia,....
Poderia dizer que George Bush joga bilhões de dólares em bombas na cabeça dos iraquianos, enquanto bilhões de seres humanos passam fome pela Terra - e aí, cadê a Justiça nesse mundo?
Poderia mesmo admitir minha mediocridade por não saber argumentar diante de tamanha obviedade. Tantas são as possibilidades que ousarei agir em total desprezo às normas técnicas: não vou apontar nenhum desses fundamentos como razão de decidir. Simplesmente mandarei soltar os indiciados. Quem quiser que escolha o motivo.
Expeçam-se os alvarás. Intimem-se."
Rafael Gonçalves de Paula
Juiz de Direito

Strangelove, Bush e o Dr. Fantástico

Sempre gosto de assistir o filme Doutor Fantástico de Stanley Kubrick, diretor de Laranja Mecânica, Lolita, Spartacus, 2001, De Olhos Bem fechados... Nesse filme ambientado na guerra-fria, vimos como a humanidade pode correr o risco de ser riscada do planeta pela simples ação de uns poucos homens de muito poder.

OS EUA mantinham naquela época e mantém ainda hoje uma esquadrilha de 16 bombardeiros B52 carregados com ogivas nucleares, cada avião permanece voando fora da fronteira russa, mas sempre a menos uma hora de um alvo dentro daquele país. A esquadrilha recebe ordens de comando de uma base dentro do território estadunidense e, em caso de guerra total, essa base cortaria todo o contato com o mundo exterior, os bombardeiros atingiriam seus alvos muito antes que os misses ICBMs (nuclear de longo alcance), de ambos os lados fossem lançados - seriam sempre o primeiro disparo de uma guerra total.

No filme o coronel que comandava a base militar e dava a ordem de ataque aos B52 enlouqueceu, fez com todos os seus soldados pensassem que estavam sob ataque soviético e ordenou que os bombardeiros atingissem a URSS, sua intenção era que os EUA deveriam dizimar os russos, fez-se uma conta de que pelo menos umas 10 mil pessoas sobreviveriam em câmaras subterrâneas com belas mulheres reproduzindo constantemente para dar seguimento a uma nova humanidade... o resto do filme é espetacular e eu não conto, uma tragicomédia no melhor estilo do Kubrick.

A melhor cena do filme é quando o capitão do bombardeiro precisa trepar na bomba para solta-la, pois o dispositivo automático falhou, ele é lançado junto com a bomba e naquele momento grita de tanto êxtase

Mas por que resolvi postar isto agora?

A semana passada o presidente russo anunciou que vai retomar os vôos de bombardeiros estratégicos próximos aos alvos nos EUA e na atual União Européia, o mundo mudou muito mas a beligerância continua, vôos que tinham sido encerrados com o fim da URSS em 1992 (por contensão de despesas), ajudando a manter o ambiente de segurança pós guerra-fria, agora são retomados. Em todo o mundo se pensa que vivemos, desde a queda do muro de Berlim, uma era de paz e tranqüilidade, só interrompida de evz enquando por ataque de bárbaros terroristas.

Não sou pessimista, mas todo esse ambiente pacífico me faz lembrar a Belle Époque, momento ligeiramente anterior a primeira guerra mundial de euforia e paz e que nas palavras Erick Hobsbawm, um dos mais sensíveis historiadores do século XX, “foi uma era de paz sem precedentes que antecedeu uma era de guerras igualmente sem precedentes”

"As pessoas realmente ligadas não precisam de ligação física. Quando se reencontram, mesmo depois de muitos anos afastados, sua amizade é tão forte quanto sempre." (Deng Ming-Dao)
Em meio a este calor ensurdecedor, navegava tranquilamente pela net, com meu msn ligado. De repente, surgiu um pedido de autorização, um e-mail estranho, jamais poderia imaginar quem seria.
Relembrando uma expressão muito utilizada por um professor de geografia que tive - e que também dizia que o Círculo Polar Ártico era mais gelado que cu de foca -, em minha "mininice" tive um grande amigo, aliás, o famoso melhor-amigo.
Quando o conheci, tinha 6 anos - e ele também -, jogávamos bola, destruíamos enxames de abelha, fazíamos escoteiro juntos, desabafávamos um ao outro nossas principais frustrações infantis.
Um belo dia, disse ele que ia se mudar para Ribeirão Preto, idos de 1992. Contávamos com 9 anos de idade. Fiquei enfurecido! Inconformado! Extremamente chateado! E ele também! Aqueles últimos dias, que antecederam sua mudança, foram inesquecíveis.
Por duas oportunidades, chegamos a mandar cartas um ao outro.
Mas o tempo passa e, rapidamente, perdemos contato. Tinha clareza que jamais o encontraria. Ribeirão Preto é uma cidade muito longe de Sorocaba. E éramos muito crianças. Nunca me esqueci dele, afinal de contas, era o melhor-amigo!
Pois bem, autorizo o e-mail no meu msn...
Era o Guilherme - confesso que me emocionei -, estávamos com 15 anos de conversa atrasada. A nostalgia permeou nosso diálogo; soube que sua irmã faz doutorado na Usp, seus pais estão bem e ele trabalhando e namorando; disse que quando casar, faz questão de que eu esteja lá. Disse também, que não era nenhuma surpresa saber que eu estava na política... "Só podia dar nisso!". Achei engraçado!
Em meio à conversa, ele disse algo que me fez não conter as lágrimas - algo muito raro de ocorrer, pois sou "duro na queda" - :
-Muito bom ter reencontrado meu melhor-amigo!
Sempre soube que quanto mais o tempo passa, mais difícil fica construir novas e sólidas amizades. Acho que foi por esta razão que me senti muito bem em tê-lo reencontrado; apesar do tempo, tenho máxima certeza de que é meu amigão do peito! Situações como esta, fazem com que valorizemos demais nossas origens!
Gui, foi legal saber que você está bem, cara! Quando puder, venha pra cá! Será um imenso prazer recebê-lo! E sempre se lembre que você não é um simples amigo, mas o melhor de todos!

20 setembro, 2007

Câmara cria comissão especial para avaliar projetos sobre energias renováveis


A Mesa da Câmara dos Deputados oficializou, no dia 17 de setembro, a criação de Comissão Especial para tratar do marco regulatório da produção e consumo de energia de fontes renováveis. A Mesa, após análise, concluiu que o Projeto de Lei 1.563/2007, de autoria do deputado Paulo Teixeira, deve ter tratamento especial por ser abrangente em relação a energia de fontes limpas.O PL 1.563/2007 visa a alterar o Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica (Proinfa), criado em 2002, de forma a incentivar não apenas as fontes alternativas previstas pelo Programa, que são pequenas centrais hidrelétricas, biomassa e eólica, mas todas as outras fontes alternativas e renováveis de energia, tais como micropotenciais hidráulicos, ondas, marés, energia solar e geotérmica.Em declaração ao jornal Valor Econômico (20/09), que publicou matéria com destaque para o projeto, Paulo Teixeira argumentou "O que queremos é abrir a porteira das energias renováveis. Para isso, precisamos de um tripé: garantia de compra (da entrega produzida), geração descentralizada e aproveitamento da luz solar para o aquecimento de água". Clique aqui para ler a matéria

Só por Deus

Oremos!
* * * * * * *

A deputada estadual Maria Lúcia Amary, líder do PSDB na Assembléia, aprovou o projeto “Deus na Escola”. A idéia é que Deus contribua na formação das crianças do ensino fundamental.

O projeto é inconstitucional, pois, segundo nossa carta magna, o Estado Brasileiro é laico. Cada pessoa pode escolher a religião que quiser, ou mesmo não ter religião.

Já o Estado Brasileiro não pode ter religião. Graças a Deus.

E São Paulo, salvo melhor juízo, ainda não se separou do Brasil, embora os cansados assim desejassem.

* * * * * * *

De qualquer forma, como ninguém espera que Maria Lúcia Amary tenha uma idéia melhor, só nos resta rezar.

Mesmo os ateus e agnósticos.

* * * * * * *

Amém!

Legenda é tudo - sátira sobre o PT-Sorocaba

Não posso deixar de reconhecer que o autor tem bom humor. Mas ainda prefiro a sátira do movimento Cansei, com base no mesmo vídeo.

Educação Superior Pública e os desafios do novo século.

A relação entre profissionalização e formação superior deve ser revista a luz da sociedade do conhecimento

A ampliação do acesso à educação superior é um dos principais desafios que o Brasil precisa enfrentar para crescer. É esse o motivo que leva o governo federal a empreender ações como os programas Universidade Para Todos e o de Expansão das Universidades Federais.
Os desafios são ainda maiores quando se considera a meta do Plano Nacional de Educação, que estabelece o acesso ao ensino superior de, pelo menos, 30% dos jovens entre 18 a 24 anos. Atualmente, somente 12% dos brasileiros dessa faixa etária estão na universidade.
No país, há cerca de 4 milhões de vagas no ensino superior, das quais apenas 1 milhão nas instituições públicas. Este quadro torna-se mais critico quando se observa a quantidade de vagas oferecidas e não preenchidas nas instituições privadas devido à incapacidade de determinados segmentos sociais arcarem com os custos das mensalidades.
Os investimentos já realizados tornam-se legítimos e necessários quando constatado o papel estratégico das universidades públicas no processo de desenvolvimento do país. Atualmente, cerca de 93% dos programas de pós-graduação estão concentrados nessas instituições, responsáveis por 97% da produção científica do país. Seu papel, portanto, não está restrito ao ensino, mas, também, à pesquisa científica e à extensão universitária, como determina a Constituição Federal.

Crise – Durante a década de 90, as universidades brasileiras enfrentaram grande crise: de recursos financeiros e humanos. Assim, durante o primeiro mandato do presidente Lula, o debate no campo universitário girou em torno dessas questões. “Arrumar a casa para depois crescer ou crescer arrumando a casa?” Este era o dilema no interior das universidades quando o presidente estabeleceu a prioridade de expandir vagas no ensino superior.
Durante os anos 2003/2006, simultaneamente à criação de dez universidades federais e implantação de 49 campi universitários no interior do país, o governo federal autorizou a contratação de mais de 9 mil professores e de 14 mil técnico-administrativos, números que representam um acréscimo de 21,9% de pessoal das universidades.
Em relação ao orçamento, o aumento global nos orçamentos das instituições de educação superior foi de 31,5%, entre 2002 e 2007. Os recursos destinados ao investimento das universidades federais foram elevados em 905%, enquanto que para o custeio, o crescimento registrado foi de 63,5%.
Certamente, a situação do ensino superior federal obteve uma significativa melhora em termos de pessoal e orçamento, mas o desafio de ampliar o acesso ao ensino superior ainda não foi superado.

Reuni – Com cerca de 10 milhões de jovens matriculados no ensino básico e o novo estimulo criado pelo Fundo Nacional da Educação Básica (Fundeb), a demanda por ensino superior e gratuito aumentará significativamente nas próximas décadas. Neste sentido, o atual modelo de educação superior das universidades federais precisa ser revisto.
Ciente dessas demandas, o presidente Lula sancionou o Decreto nº 6.096, instituindo o Programa de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais, conhecido como Reuni e parte do Plano de Desenvolvimento da Educação. O programa possui duas metas: elevar a taxa de conclusão dos cursos de graduação em 90% e aumentar a relação de alunos de graduação em cursos presenciais por professor para 18, num prazo de cinco anos. Atualmente, essa taxa é de 13 alunos por docente.
O sistema federal de ensino superior insiste, ainda, num modelo de educação superior profissionalizante baseado em programas franco-ibéricos, que considera os estudantes egressos do ensino médio como aptos a ingressar no mundo profissional após a conclusão de seus cursos. Contudo, as deficiências do ensino médio não se limitam apenas ao domínio da língua portuguesa, mas são visíveis, também, na (in) capacidade dos jovens em elaborar conexões argumentativas complexas ou realizar abstrações teóricas. Nos exames da Ordem dos Advogados do Brasil, por exemplo, as principais falhas na formação dos profissionais são provenientes de insuficiências do ensino médio.
O resultado é a formação de profissionais com sérias deficiências de escrita, leitura, operações lógicas, ou seja, das habilidades acadêmicas básicas. Assim, jovens de 16 a 18 anos são obrigados a precocemente escolher uma profissão para o resto de suas vidas sem sequer terem domínio básico para tal empreitada.
Ao mesmo tempo, estudos realizados pelo Observatório Universitário demosntram que quase 80% dos alunos matriculados no ensino superior encontravam-se em cursos relacionados às profissões regulamentadas que, ademais, respondiam por 67% dos cursos de graduação oferecidos e por 78% das conclusões.
Excluindo o curso de medicina, mais da metade (53,96%) das pessoas com nível superior nas áreas regulamentadas exerciam trabalhos diversos, não necessariamente correspondentes às áreas em que se formaram. Entre os estudantes de direito, um pouco mais que a metade exerce ocupações na área de formação e entre as engenharias, cerca de dois terços dos formados não trabalhavam na área.
Assim, se por um lado temos um egresso do ensino básico sem condições para a imediata profissionalização devido a deficiências básicas que se reproduzem mesmo depois do ensino superior, por outro, temos um dinâmico mercado de trabalho no que se refere as ocupações profissionais.
O Reuni torna-se, assim, momento propício para que as universidades superem essas dificuldades, distinguindo as profissões do mercado de trabalho da formação universitária, sem desconsiderar os conteúdos profissionalizantes necessários a tal formação, mas o faça a luz da chamada sociedade do conhecimento e das transformações no mundo do trabalho e da sociedade brasileira.
Marcio Alexandre Barbosa Lima é cientista social (USP) e mestre em sociologia (Unicamp)
A Folha de São Paulo de hoje, traz artigo do Deputado Estadual Rui Falcão, do PT. Rui defende o fim do Senado e contesta a postura dos parlamentares do PT na absolvição de Renan Calheiros.

"A existência do Senado é um desserviço à democracia brasileira. É chegada a hora de discutir o fim do sistema bicameral do país."

"... é inexplicável a abstenção: a quem não estava convencido da quebra de decoro cabia a opção consequente de votar pela absolvição."

Pela permanência do site Domínio Público!!!

Uma bela biblioteca digital, desenvolvida em software livre mas que está prestes a ser desativada por falta de acessos.
Imaginem um lugar onde você pode gratuitamente:
· Ver as grandes pinturas de Leonardo Da Vinci ;
· escutar músicas em MP3 de alta qualidade;
· Ler obras de Machado de Assis Ou a Divina Comédia;
· ter acesso às melhores historinhas infantis e vídeos da TV ESCOLA
· e muito mais
Esse lugar existe!
O Ministério da Educação disponibiliza tudo isso,basta acessar o site: www.dominiopublico.gov.br
Só de literatura portuguesa são 732 obras!
Estamos em vias de perder tudo isso, pois vão desativar o projeto por desuso, já que o número de acesso é muito pequeno. Vamos tentar reverter esta situação, divulgando e incentivando amigos, parentes e conhecidos, a utilizarem essa fantástica ferramenta de disseminação da cultura e do gosto pela leitura.
Divulgue para o máximo de pessoas!

O perfil da mãe adolescente

Um ciclo vicioso acompanha as adolescentes de baixa renda que engravidam. Grande parte delas tem baixo nível de escolaridade, não trabalha e não tem projeto de vida. Com a gestação, as oportunidades ficam ainda mais distantes e o quadro tende a permanecer o mesmo. É o que mostram estudos realizados por médicos e pesquisadores da Universidade de Brasília (UnB). Além de traçar o perfil da mãe adolescente no Distrito Federal, o trabalho realizado entre 2005 e 2006 pelo Ambulatório de Crescimento e Desenvolvimento do Hospital Universitário de Brasília (HUB) compara a realidade de 69 jovens de até 19 anos de idade com 80 mães acima dos 20 anos.
O fato que mais chamou a atenção dos pesquisadores foi a ausência de perspectivas das mães adolescentes. De acordo com a coordenadora do ambulatório, Marilucia Picanço, 67,5% delas disseram não ter nenhum projeto de vida, como estudos, carreira ou casamento.
Se os planos são poucos, a situação em relação à educação, que poderia dar a elas uma vida melhor, também não muda muito. Cerca de 37,5% das adolescentes acompanhadas pelos médicos não chegaram a completar o ensino fundamental e apenas 17% terminaram o ensino médio. Entre as mães adultas, a situação encontrada foi bem diferente: 66% têm o diploma do ensino médio e apenas 18,3% não concluíram o fundamental. Um estudo anterior da mesma equipe mostrou que mais da metade das jovens que estudavam largaram a escola durante a gestação e menos de 40% retornaram à escola após o nascimento do bebê.
Os pesquisadores verificaram ainda que 20% das adolescentes trabalhavam, enquanto quase a metade das mães com mais de 20 anos tinha emprego. Sem poder contar com uma renda fixa, 12,5% das adolescentes ainda não recebiam apoio financeiro do pai da criança. Nesses casos, quem assume a responsabilidade são os pais da adolescente, explica Marilucia.
Fonte: UnB Agência

Pnad

O número de estudantes no ensino superior cresceu 13,2% de 2005 para 2006. Nos demais níveis, houve decréscimos (-4,5% no pré-escolar e -0,9% no ensino médio) e um ligeiro aumento (0,5% no ensino fundamental). Os dados são da última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad).
Apesar do maior acesso ao ensino superior, o país ainda tem um grande número de jovens analfabetos: 2,4 milhões. A maior concentração está no Nordeste, onde vivem 65% dos jovens analfabetos do país.
De acordo com o levantamento, apesar de o número de estudantes da rede pública ainda ser significativamente maior que o da rede privada (43,7 milhões contra 11,2 milhões, respectivamente), de 2005 para 2006, o total de estudantes na rede particular cresceu 7,5%; enquanto na rede pública diminuiu 0,7%. A expansão na rede privada foi mais forte no nível superior: 15,3%.
Fonte: Blog do Zé Dirceu

As cidades e o aquecimento global

"Os últimos relatórios da ONU sobre mudanças climáticas (IPCC), divulgados neste ano, de certa forma calaram as vozes de setores contrários à revisão dos padrões de produção e consumo da sociedade moderna. São conclusões das mais importantes instituições científicas internacionais, que agora passam a fazer parte, definitivamente, da agenda dos governos em todo o mundo. Até o presidente George W. Bush, que tem se recusado a assinar o Protocolo de Kyoto, parece ter sido influenciado. Recentemente anunciou que irá propor metas para reduzir emissões de gases. "
Artigo interessante do Deputado Paulo Texeira. Para ler na íntegra, clique no título!

19 setembro, 2007

Pobreza tem maior queda nos últimos anos

A proporção de brasileiros situados abaixo da linha de pobreza caiu de 35% para 19% do total da população brasileira - estimada em quase 190 milhões de pessoas - entre 1993 e 2006 - uma redução cerca de 45% no percentual de pobres em um prazo de apenas 14 anos. A constatação é da Fundação Getúlio Vargas (FGV), que divulgará a pesquisa Miséria, Desigualdade e Política de Renda: O Real do Lula nesta quarta-feira.
"Os números de 2006 não só dão seqüência às conquistas observadas desde a piora da pobreza com a recessão de 2003, como também constitui o melhor ano isolado da série histórica da nova Pnad, com queda de 15% da miséria no País o melhor resultado dos últimos dez anos", afirma o coordenador do Centro de Políticas Sociais do Instituto Brasileiro de Economia - órgão da FGV, Marcelo Neri.
Segundo ele, os dados mostram um crescimento da renda domiciliar per capita (ou seja, já descontado o crescimento da população) de 9,16% - resultado mais próximo a um crescimento chinês".As análises da FGV indicam que, do ponto de vista da distribuição de renda, os 50% mais pobres cresceram a sua participação nas riquezas do País em 12%, enquanto os 10% mais ricos em 7,8%, no ano passado.

Os Bandeirantes eram judeus (Anita Novinsky)

Texto de Mario Cesar carvalho publicado Folha de São Paulo - Cotidiano - 5/9/2004) - envido a nós por Carlos Cavalheiro.

"Os historiadores nunca primaram pelo equilíbrio ao retratar Antônio Raposo Tavares (1598-1658), um dos mais mitológicos bandeirantes. Ou era guindado ao céu como o "bandeirante magno, vulto formidável", segundo a descrição de Affonso Taunay, ou era jogado no inferno como assassino, herege e matador de padres.

A historiadora Anita Novinsky, professora de pós-graduação na USP, reuniu documentos encontrados em Portugal segundo os quais Raposo Tavares teria razões religiosas para queimar igrejas: sua madrasta, Maria da Costa, foi presa pela Inquisição em 1618 sob a acusação de "judaísmo" e só saiu do cárcere seis anos depois."

(...)

"Há razões ideológicas na fúria dos bandeirantes contra a igreja. Ela representava a força que tinha destruído suas vidas e confiscado seus bens em Portugal", diz Novinsky, autora de oito livros sobre a Inquisição. Raposo Tavares matou jesuítas porque eles eram comissários da Inquisição na América, segundo a historiadora.

Uma outra história

Segundo a nova perspectiva, Raposo Tavares e bandeirantes que atacavam igrejas podem ser vistos como "subversivos", desafiadores da hegemonia católica, na visão de Novinsky. Entre os bandeirantes, eram cristãos novos Raposo Tavares, Fernão Dias Paes e Brás Leme. Baltazar Fernandes, fundador de Sorocaba, matou com um tiro na cabeça o padre Diogo de Alfaro, que tinha sido enviado pela Inquisição para investigar os paulistas.

(...)

Os ataques das bandeiras às reduções, áreas em que os jesuítas agrupavam os índios para catequizá-los, ocorreram na primeira metade do século XVII. O mais célebre dos ataques foi contra as reduções na região de Guairá, hoje território paraguaio, em 1628. Raposo Tavares teria saído de São Paulo com 900 brancos e 3.000 índios.
__________________________________

Por outro lado...

Os conflitos entre a Igreja, o Estado português e os colonos europeus na América sobre a escravidão indígena são constantes durante todo o período colonial, desde quando Colombo desembarcou na América e começou a usar os índios como mão-de-obra forçada, houveram opiniões favoráveis e contra os métodos realizados (dentro e fora da igreja), discutiu-se se os índios possuíam mesmo alma, se a escravidão não era uma forma de catequização, etc.

Os jesuítas também não representavam diretamente a opinião da Igreja, nem o Estado os apoiou sempre, eles foram uma das faces do poder religioso na época e durante um certo período um dos braços do poder colonial. Em 1750 o Estado português resolveu expulsa-los de seus domínios, mas isso não quis dizer que o Estado tenha se tornado anti-clerical (como o raciocínio acima pode levar a crer), pelo contrario, o Estado se apoiou em outros grupos religiosos.

Os defensores desta tese (a do ódio religioso) tentam desqualificar os argumentos econômicos em detrimentos dos religiosos (ideais), os argumentos religiosos ideais são realmente muito importantes mas estavam intimamente interligados aos interesses político e comercial. Não dá para lutar contra o fato de que, na colônia portuguesa (hoje Brasil), os jesuítas, usando-se da mão de obra escrava, tenham montado um império (econômico-religioso) dentro do Império português independente de seu Estado, na região amazônica eles tinham até mesmo monopólio sobre o comércio; na região sul a catequização forçada dos índios se opunha ao aprisionamento do gentio por parte dos bandeirantes e ambos rivalizavam.

Nos séculos XVII e XVIII, no contexto das disputas fronteiriças entre a colônia portuguesa e a espanhola, os jesuítas ergueram fortalezas e impediam a penetração dos portugueses nas regiões sob litígio, o que resultou em conflitos armados.

Boa parte das expedições bandeirantes dirigidas contra as reduções jesuíticas do sul partiram de Sorocaba, mas isto não tem relação com o fato de os bandeirantes serem cristãos-novos, pode até ter ajudado mas o fundamento era outro. E Baltazar Fernandes também não era judeu, era mestiço de índio com europeu, talvez um europeu cristão-novo.

18 setembro, 2007

Adolescentes engravidam para segurar namorado, diz secretaria de Saúde de Sorocaba

Uma declaração da responsável pelo setor de “Planejamento” Familiar da Secretaria Municipal de Saúde de Sorocaba que me deixou profundamente assustado:


Muitas adolescentes ficam grávidas porque querem segurar o parceiro ao seu lado. Ao contrário do que as pessoas pensam, apenas uma pequena fração engravida por acidente”.

É o tipo de informação que diz muito mais sobre o seu agente do que sobre o fato tratado. Não quer dizer que seja mentira, pode até ter uma base empírica (circunstancial) mas a sua intenção distorce completamente a realidade.

Não sei em que a pediatra da prefeitura se baseia, mas se isso fosse verdade estaria-mos a ponto de constatar que os adolescentes estão primando pelo relacionamento duradouro, visando a constituição de uma família monogâmica cristã.

Isso tudo vai na contramão dos fatos observados pelos sociólogos e psicólogos a respeito da dissolução do ideal de família convencional na sociedade capitalista pós-moderna.

A vulgarização do sexo tem se mostrado uma realidade cada dia mais impactante nos relacionamento entre os jovens e se não existe uma política de conscientização e planejamento familiar é claro que as adolescentes vão engravidar.

Os relatos que tenho ouvido de amigos pediatras e psicólogos indicam exatamente o contrário do que diz a Secretaria de Saúde, ou seja, o problema não é individual, é antes de tudo social e só pode ser trabalhado enquanto tratado no âmbito das políticas públicas de saúde.

A gravidez na adolescência é um grave problema de nossa realidade e fugir a esta responsabilidade, colocando a culpa num indivíduo que sequer pode responder por si, tem o único objetivo de eximir o poder público de sua parcela de responsabilidade sobre o planejamento familiar.

Bertold Brecht

"Privatizaram sua vida, seu trabalho, sua hora de amar e seu direito
de pensar.
É da empresa privada o seu passo em frente,
seu pão e seu salário. E agora não contente querem
privatizar o conhecimento, a sabedoria,
o pensamento, que só à humanidade pertence."

16 setembro, 2007

A Folha de São Paulo deste domingo traz na Coluna Tendências e Debates, artigo de Cezar Britto, Presidente da OAB. O título: O caso Renan e a Reforma Política.
Lá, ele apresenta a discussão sobre recall, a revogação popular de mandatos eletivos. Também, salienta a importância de mudanças nos financiamentos de campanhas. Preliminarmente, concordo em absoluto com as observações do eminente Presidente, mas gostaria de saber outras questões pertinentes à OAB:
Senhor Presidente Cezar Britto,
O artigo está ótimo, reflitamos:
1)Qual o método de financiamento para as eleições internas da OAB?
2)Existe recall na OAB?
3)O senhor foi eleito por voto indireto, está certo?

Pnad

O Jornal Bom Dia de hoje traz a notícia de que a taxa de desemprego tem a maior queda em 10 anos. A pesquisa foi realizada pela Pnad 2006 (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), que tratava do mercado de trabalho.
O Pnad ainda mostra que o Brasil vem, lentamente, desconcentrando renda: 0,547, em 2004; 0,543 em 2005 e 0,540 , em 2006 - quanto mais próximo de 1, maior é a concentração de renda -.
Além de também apontar crescimento do poder de compra do trabalhador, a pesquisa apresenta que a população brasileira vem crescendo em virtude das quedas na taxa de mortalidade e fecundidade, e a tendência de maior envelhecimento, estando na casa dos 187,2mi de brasileiros.
Dado interessante é que 1,34 milhão de pessoas a mais, declararam-se negras em 2006.
Ao conversar com um amigo dos tempos de Faculdade, perguntei como estava um terceiro amigo, muito querido por nós. E olha a resposta:
- Ele continua fiel a sua ignorância!

15 setembro, 2007

Energia Limpa

O governo britânico pretende tornar obrigatório o uso de sistemas geradores de energia limpa, como turbinas eólicas e painéis solares, em milhares de novos edifícios.
A secretária de Estado de Habitação, Yvette Cooper, está decidida a obrigar os imóveis a reduzir as emissões de CO2 usando fontes de energia renovável. A medida, publicada nesta terça-feira no vespertino londrino "Evening Standard", faz parte do projeto do primeiro-ministro trabalhista, Gordon Brown, de conseguir que todas as novas casas sejam neutras em emissões de carbono até 2016.
O governo pretende que todas as prefeituras estabeleçam objetivos de energia limpa de cumprimento obrigatório pelas construtoras.
Em alguns casos, os novos imóveis terão de obter toda a eletricidade necessária de fontes renováveis, enquanto em outros se fixará um mínimo de 50%. Mais de 150 prefeituras adotaram até agora um texto legislativo de 2003 que obriga todos os novos edifícios comerciais a ter pelo menos 10% de suas necessidades energéticas supridas por uma fonte ecológica.
Fonte: Site do Deputado Paulo Teixeira - http://www.pauloteixeira13.com.br/

14 setembro, 2007

O Evangelho de Oscar Wilde


"Abençoados aqueles que não tem nada a dizer e ficam de boca fechada".

"As coisas de que mais gosto na Igreja Católica são o vinhos e os pecados..."

"As pessoas mais interessantes são os homens que têm futuro e as mulheres que têm passado."

"O verdadeiro amigo te apunhala pela frente"

"Viver é a coisa mais rara do mundo. A maioria das pessoas não faz mais do que existir."

" Experiência é o nome que todos dão aos seus erros"

"Um homem pode ser feliz com qualquer mulher, contanto que não a ame."

Nossos formadores de opinião


13 setembro, 2007

Sobre o Renan

Particularmente eu acho o Renan Calheiros desprezível, fez parte da base do governo FHC e agora de Lula, é um típico coronel das cercanias do planalto central que vende o seu voto no Senado da mesma forma (e com o mesmo) que compra bois (a preço inflacionado), nenhum pouco diferente de outros tantos políticos da oposição e da base aliada ao governo.

O que me chamou atenção no caso da absolvição de Renan foi o fato de ele ter identificado corretamente seu maior inimigo dentre todos os partidos da cena política brasileira - o Partido da Mídia. Este partido jogou o que pode contra ele numa tentativa de o relacionar com o governo, não conseguiu e ainda amargou uma incrível derrota.

Corrupção e impunidade não é fato novo, mas essas consecutivas derrotas do Partido da Mídia merecem atenção.

12 setembro, 2007

O Circo do senado

Logo pela manhã, alguns deputados, que queriam aparecer, foram acompanhar a sessão secreta do senado. Agrediram seguranças da casa e depois alegaram que eles, deputados, é que tinham sido agredidos.

O deputado Raul Jungmann (PPS-PE) ocupou a tribuna da câmara dos deputados para "denunciar" a agressão.

Acabou se dando mal, porque quem roubou a cena, logo em seguida, sendo aplaudido pelos seus pares, foi o deputado Sílvio Costa (PMN-PE), que desmentiu a versão de agressão, afirmando que Jungmann provocou os seguranças do senado, "apenas para aparecer na Imprensa".

Em seguida, Costa disse que havia muita gente no congresso se passando por paladino da moralidade, numa alusão a Jungmann. E complementou: "Mas, esse deputado que me antecedeu aqui, na tribuna, precisa explicar a maracutaia de R$ 33 milhões que se envolveu quando ministro da Reforma Agrária. Ele não é vestal nenhuma da moralidade. Muito pelo contrário. Tem um pepino nas costas de R$ 33 milhões"

Na minha terra esse negócio de pepino nas costas não pega bem, deputado.

* * * * * * *

Enquanto isso, no senado, Renan jogava merda no ventilador:

"- senadora Heloísa Helena. A senhora sonegou o pagamento de impostos em Alagoas. Deve mais de R$ 1 milhão. Tenho um documento aqui que prova isso. E nem por isso eu o usei contra a senhora."

Em seguida, virou-se para Jefferson Perez (PDT-AM) e comentou:

"- Veja bem, senador Jefferson Perez. Eu poderia ter contratado a Mônica [Veloso, ex-amante dele] como funcionária do meu gabinete. Mas não o fiz."

Perez nada disse. Ouviu calado, fingindo de morto, que é o melhor a fazer nessas horas.

Então foi a vez do senador Pedro Simon (PMDB-RS). Renan disse olhando diretamente para ele:

"- A Mônica Veloso tem uma produtora. Eu poderia ter contratado a produtora dela para fazer um filmete e pendurar a conta na Secretaria de Comunicação do Senado. Eu não fiz isso."

Simon ouviu calado.

Esses eram os inimigos dele. O que não saberá dos amigos?

* * * * * * *

Pela primeira vez, na história desse país, temos uma oposição circense. É só palhaço, malabarista e mágico!

* * * * * * *

A jornalista Mônica Veloso, a cortesã que quase derrubou Renan Calheiros, reprovou as fotos feitas pela revista Playboy. Irá reunir-se com executivos da revista para marcar um novo ensaio fotográfico. No primeiro, nem o photoshop salvava.

Nada disso interessa ao povo. Esse quer saber quem matou Taís. Nada mais.

Ai do Renan se houvesse feito um filho na Paula. Estava frito.

Quem te viu, quem te vê

Quem viu no início da sessão a animadíssima defesa dos senadores hoje do fim do voto secreto até acredita. Alguns chegam a prever para amanhã o início de uma campanha retumbante nesse sentido. Mas, no dia 13 de março de 2003, quando a Casa derrotou emenda constitucional do senador Tião Viana acabando com o voto secreto para cassações, muita gente boa que discursa hoje para abrir o voto ficou contra.

Arthur Virgílio, por exemplo, que hoje fez veemente defesa do voto aberto no início do julgamento, dizia na ocasião: "O voto secreto é um instrumento que deixa o parlamentar a sós com sua consciência em uma hora que é sublime, em que o voto é livre de quaisquer pressões, que podem ser familiares, do poder econômico, de expressão militar ou de setores do Executivo. Voto pela manutenção do voto secreto".

E assim também fizeram, na ocasião, seus colegas Cesar Borges (DEM), Tasso Jereissati (PSDB), Eduardo Azeredo (PSDB), Heráclito Fortes (DEM), Garibaldi Alves (PMDB), Gerson Camata (PMDB), Agripino Maia (DEM), Edison Lobão (DEM), Marco Maciel (DEM), José Sarney (PMDB), Mão Santa (PMDB) e Leomar Quintanilha (PMDB), entre outros.

Ou seja, muda a platéia, muda o voto.

fonte: Blog dos blogs

Retaliação cruzada

A Câmara dos Deputados deve começar a discutir, nos próximos meses, projeto de lei relativo à "retaliação cruzada", um instrumento instituído no âmbito da OMC que faz parte do rol de mecanismos de negociações comerciais entre nações.
O projeto, apresentado pelo deputado Paulo Teixeira, "dispõe sobre medidas de suspensão e diluição temporárias ou extinção da proteção de direitos de propriedade intelectual no Brasil em caso de descumprimento de obrigações multilaterais por Estado estrangeiro no âmbito da Organização Mundial do Comércio."
O projeto tem apoio de todos os setores que têm contencioso na OMC. O agronegócio, por exemplo, fármacos, químicos, agro-químicos, veterinário, obras cinematográficas, enfim, todas as extensões da propriedade intelectual. O projeto é um instrumento poderosíssimo à disposição do Brasil.
Quem tem utilizado desse mecanismo, atualmente, são os países que detêm maior poder econômico e legislações rígidas de propriedade intelectual. Pelas regras da OMC, a retaliação deve acontecer no mesmo universo onde houve a violação das regras: se, por exemplo, os EUA tomaram medidas ilegais no comércio de mercadorias, as retaliações seriam nesse tipo de comércio. Se for em serviços, as retaliações seriam sobre serviços.
Para fazer a chamada "retaliação cruzada", o país terá de provar que, no caso de algodão, por exemplo, aumentar barreiras para mercadorias americanas não teria eficácia, e poderia ser prejudicial aos consumidores brasileiros.
Essa estratégia já foi adotada antes pelo Equador, para obter permissão de "retaliações cruzadas" contra a União Européia, que perdeu um caso contra regras ilegais no comércio de bananas.

11 setembro, 2007

11/09/1973 - Ultimo discurso de Salvador Allende

"Compatriotas: Esta será seguramente a última oportunidade em que poderei dirigir-me a vocês. A aviação bombardeou as antenas de Radio Portales e Radio Corporación. Minhas palavras não têm amargura, mas decepção, e elas serão o castigo moral para os que traíram o juramento feito: soldados de Chile, comandantes-em-chefe titulares e mais o almirante Merino, que se autodesignou, e o señor Mendoza, esse general rasteiro, que ontem me manifestara sua fidelidade e lealdade ao governo.

"Frente a estes fatos, só me cabe dizer aos trabalhadores: não vou renunciar!

"Colocado neste transe histórico, pagarei com minha vida a lealdade do povo, e digo-lhes que tenho certeza que a semente que entregamos à consciência digna de milhares e milhares de chilenos não poderá ser apagada definitivamente. Eles têm a força, mas não se detêm processos sociais pelo crime e pela força. A História é nossa, ela é feita pelos povos.

"Me dirijo ao homem chileno, operário, camponês, intelectual, àqueles que serão perseguidos porque em nosso país o fascismo já se faz presente há algum tempo em atentados terroristas, sabotagens de estradas de ferro e pontes, oleodutos e gasodutos.

"Frente ao silêncio dos que tinham a obrigação – interrupção momentânea da transmissão de Radio Magallanes - ...a que estavam submetidos. A História os julgará.

"Seguramente, Radio Magallanes será calada e o metal tranqüilo da minha voz não chegará mais a vocês...

"Não importa ... Não importa, vocês seguirão me ouvindo, estarei sempre junto de vocês, pelo menos minha lembrança será de um homem digno, leal à lealdade dos trabalhadores.

"O povo deve se defender, mas não se sacrificar. Não deve deixar-se arrasar nem crivar de balas, mas tampouco pode se deixar humilhar.

"Trabalhadores da minha pátria: tenho fé no Chile e no seu destino. Este momento cinzento e amargo, onde a traição pretende se impor, será superado. Sigam sabendo que muito mais cedo do que tarde de novo se abrirão as grandes avenidas por onde passará o homem [livre] digno que quer construir uma sociedade melhor...

"Viva Chile, viva o povo, vivam os trabalhadores... Estas são minhas últimas palavras ... Tenho certeza de que meu sacrifício não será em vão, tenho certeza de que pelo menos será uma lição moral que castigará a felonia, a covardia e a traição...".


ouça aqui o discurso de Allende

11 de Setembro no Chile

O Chile é mesmo uma incógnita.

O governo socialista do Chile proibiu a tradicional manifestação em homenagem a Salvador Allende, em frente à porta lateral do Palácio Presidencial La Moneda, mesmo local onde o ex-presidente socialista foi morto durante o golpe militar de 11 de Setembro de 1973 - liderado por Augusto Pinochet.

Enquanto isso, no cemitério onde o ex-ditador foi enterrado, hoje foi inaugurada uma cripta, como o primeiro passo para a construção de um grande mausoléu a ser financiado por uma organização que leva o nome do general.

Controle de velocidade


Para evitar acidentes, moradores de Santa Cruz, no Rio Grande do Sul, apelaram para a atriz Juliana Paes. Acreditando que os motoristas diminuirão a velocidade para apreciar as curvas da atriz, eles transformaram um cartaz de Juliana Paes em redutor de velocidade

fonte: RBS
As empresas de ônibus de Sorocaba TCS/STU, resolveram combater os pula-catraca, mas na verdade o que estamos presenciando é uma barbárie total.

Policias militar, que nem deveriam estar fazendo “bico”, tratam os usuários como se fossem animais, hoje uma funcionária do Sindicato da categoria uniformizada foi posta pra fora do ônibus covardemente.

A prefeitura de Sorocaba não é capaz de resolver o problema do transporte urbano, atrasos e ônibus superlotados são constantes, agora temos essa demonstração de ilegalidade em combate ao crime.

Melhorias no sistema, preços mais acessíveis talvez fosse mais eficaz no combate aos pula-catraca.
Hoje estou de volta a Sorocaba, depois de um gostoso final de semana no Rio de Janeiro quando pude constatar que aquela é realmente a Cidade Maravilhosa.