16 janeiro, 2007

Irã-Contras, 20 anos depois...


A visita do presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, ao seu colega nicaraguense recém eleito, Daniel Ortega, neste Domingo, passou quase desapercebida pelos meios de comunicações.
Ahmadinejad e Ortega assinaram um tratado de cooperação entre os dois países que, além de selar uma aliança já esperada entre dois adversários dos EUA, marca um período de transformação das relações internacionais e tem uma grande importância histórica.

Em 1986 o governo fundamentalista do Irã já era um inimigo dos EUA, ao mesmo tempo a CIA tentava derrubar o governo sandinista da Nicarágua, presidido por Daniel Ortega. A agência norte-americana de inteligência se envolveu num escândalo internacional chamado Irã-Contras que resultou na queda de um alto general norte-americano,

Foi descoberto que CIA vendia ilegalmente armas para o Irã: as armas partiam de Israel e chegavam ao Irã, o lucro desta operação ilegal era depositado em contas secretas dos rebeldes nicaragüenses - chamados de Contras. Aos israelenses, interessava fortalecer o exército do Aiatolá iraniano contra o seu inimigo mais próximo, o Iraque de Saddan Hussein, à época aliado de Daniel Ortega.

Saddan Hussein, no entanto, era também um aliado dos EUA contra o Irã, o que não os impediu de usar a venda de armas ao inimigo para financiar a derrubada do governo sandinista da Nicarágua.

Exatamente 20 anos depois de derrubado, Daniel Ortega volta ao poder eleito democraticamente com a oposição dos EUA, Saddan Hussein foi enforcado a mando de seu aliado de véspera e o governo islâmico do Irã continua em pé, desafiando a Casa Branca; e Mahmoud Ahmadinejad pretende ser o primeiro aliado estratégico de Daniel Ortega.

2 comentários:

Anônimo disse...

Os adversários do governo Americano perceberam que os interessa unirem-se contra o "Mostro".

Carlos Marques disse...

Que suruba! O negócio deles é lucrar. Vender armas e munições é apenas negócio. De preferência, vender para os dois lados. Basicamente carniceiros.