14 março, 2007

A mulher do próximo

O escritor colombiano Gabriel García Márquez, 80 anos completados na semana passada, e o peruano Mario Vargas Llosa, com 70 anos, eram os dois maiores expoentes da literatura latino americana e do movimento conhecido como "realismo fantástico". Também eram grandes amigos.

Porém, há cerca de 30 anos, a intensa admiração mútua chegou ao fim quando um cruzado de direita desferido pelo autor de “Tia Júlia e o escrevinhador” encontrou o olho esquerdo do autor de “Crônica de uma morte anunciada”. Nenhum dos dois jamais explicou a briga, atribuindo-a simplesmente a problemas “pessoais” e, de vez em quando, também “políticos”. O colombiano permaneceu ligado à esquerda enquanto o peruano migrava para a direita.

Agora, o jornal inglês “The Independent” publicou um relato do repórter Paul Vallely, que diz se basear em informações de um biógrafo de García Márquez, Dasso Saldivar.

Vargas Llosa se apaixonou por uma bonita aeromoça sueca que tinha conhecido numa viagem. Deixou sua mulher e se mudou para Estocolmo.

Arrasada, Patrícia foi procurar o melhor amigo do marido, Gabriel. Que aconselhou Patrícia a se divorciar de Mario. E a consolou.

Ninguém sabe exatamente em que consistiu esse consolo.

De acordo com fontes próximas do colombiano, ele disse a ela que devia abandonar o marido, caso ele voltasse.

Outras fontes, próximas do peruano, afirmam que naquela mesma noite Márquez cometeu o pior (ou melhor) tipo de traição contra seu amigo Vargas Llosa.

Mario acabou voltando para a mulher, que lhe contou tudo sobre o conselho de Gabriel, e sobre seu consolo.

Algum tempo depois, os dois escritores se encontraram novamente, num cinema na Cidade do México. Quando as luzes se acenderam, García Márquez viu Vargas Llosa algumas filas atrás dele e foi até lá abraçar seu velho amigo. Ao se aproximar, recebeu um tremendo golpe no olho esquerdo.

“Como você ousa vir me abraçar, depois do que você fez com Patricia em Barcelona?”

4 comentários:

Fábio Correa disse...

Este foi um verdadeiro ato de TALARICO! Mas os amigos devem saber superar e perdoar os erros e a vulnerabilidade emocional de seus companheiros.

Anônimo disse...

Meo Deus! Mas certa vez li em algum lugar... algo +- assim: "não tenhas ciúmes da tua mulher, para que ela não se perda na malícia que aprender de ti..."

Anônimo disse...

Meo Deus! Mas certa vez li em algum lugar... algo +- assim: "não tenhas ciúmes da tua mulher, para que ela não se perda na malícia que aprender de ti..."

Reinaldo disse...

Fábio "el Talarico" Correa só podia sair em defesa do Gabo.

Na verdade, também fico ao lado dele.

Sempre que um esquerdista coloca cornos num reacionário, uma nova estrela aparece no céu...