25 julho, 2007

Prelúdio de golpe

Quando Lula nomeou Waldir Pires ministro da defesa, irritou os militares. Afinal de contas, era um antigo membro do governo João Goulart.

Desde de então, grande parte dos problemas que Lula enfrentou, surgiram no ministério da defesa.

O acidente com o Air Bus da TAM fez com que a grande mídia golpista lançasse um ataque feroz contra o governo Lula. Não aceitaram o resultado das eleições e querem mudar na marra.

Pediram a cabeça do ministro Waldir Pires e Lula deu. Colocou Nelson Jobim no lugar.

O ex-ministro da justiça de FHC.

Nelson Jobim que já está de olho na cadeira de Lula. Pretende colocar "ordem na casa" e se viabilizar como o candidato do PMDB em 2010. Caso necessário, aceita o encargo antes.

Nelson Jobim, que, segundo o jornal da rádio Jovem Pan, antes da posse, telefonou para Serra e "conversaram longamente sobre a crise aérea".

Pela primeira vez uma nomeação do presidente Lula é elogiada pela oposição.

Gustavo Fruet (PSDB-PR) ironizou "é mais um tucano no governo Lula. O primeiro foi o Henrique Meirelles".

O clima político no Brasil é sufocante. A ação da mídia golpista e da direita inconformada fez com que houvessem dois campos: os apoiadores de Lula e seus inimigos de morte. Não há espaço para o meio termo, para a indecisão.

É o prelúdio do golpe.

Luiz Fernando Veríssimo, em sua coluna no jornal "O Globo", disse:

"Veja onde você está metido, com quem está fazendo coro, de quem está sendo cúmplice. A companhia do que há de mais preconceituoso e reacionário no país inibe qualquer crítica ao Lula, mesmo as que ele merece.

Enfim: antes de entrar num coro, olhe em volta."

Eu diria ao Lula: antes de nomear um ministro da defesa, olhe em volta.

Um comentário:

Alexandre disse...

Vamos olhar um pouco para o passado, em especial para o Chile.

As forças armadas chilenas eram um exemplo de comportamento, enquanto seus colegas de farda na América Latina estavam envolvidos em centenas de golpes militares, as forças armadas chilenas não.

Mas daí veio o governo da Unidade Popular, socialistas, comunistas e demais forças de esquerda, chegam pelo voto popular, a presidência do Chile.

A direita, os empresário, os EUA, não podiam aceitar tal afronta. E fizeram de tudo, para derrubar o presidente Salvador Allende.

Criaram o caos no transporte, com uma "crise" sem fim, no setor dos transportes. Era a "greve" do caminhoneiros, patrocinadas pelos empresários do setor.

E mesmo assim a popularidade de Allende não caia, ele era adorado pela imensa maioria da população.

Então veio a segunda parte: o golpe.

Primeiro tratava-se de afastar o comandante das forças armadas, que era leal ao presidente Allende.

Para fazer o afastamento do comandante das forças armadas, o caminho escolhido, foi o seu assassinato.

E para "acalmar" a oposição, Allende escolheu como novo comandante, um general chamado Augusto Pinochete.

E Pinhochete era o chefe dos golpistas. E foi ele quem liderou o golpe contra a Unidade Popular e Salvador Allende.

Em tempo, os serviços secretos soviéticos (KGB) e cubano (G2), haviam informado ao presidente Allende, a maneira como o golpe estava sendo tramado. Mas ele NÂO deu ouvidos, achou que poderia comtemporizara com os facistas.

Ao menos, Allende teve uma atitude digna, pois quando se viu cercado e o golpe contra ele, consolidado. Allende resistiu até o fim, morrendo em combate.

Que isto sirva de lição: NÃO É POSSÍVEL CONTEMPORIZAR COM AS FORÇAS DE DIREITA.