10 abril, 2009

Serra nomeia assaltante para a Casa Civil de São Paulo


Gatuno já teve passagem pelo governo FHC, como Ministro da Justiça.

O advogado paulista Aloysio Nunes Ferreira Filho, de 64 anos, podia estar roubando, podia estar matando. Mas, não.

Atualmente, ele é o secretário da Casa Civil do governo tucano de José Serra. Ferreira já foi presidente de centro acadêmico, já foi deputado estadual, já foi deputado federal, já foi vice-governador. Já foi até ministro de estado. O que poucos recordam - e, quem sabe, a Folha de S.Paulo destaque sua repórter Fernanda Odilla para "investigar" o caso - é que o brioso elemento, outrora conhecido pelo cognome "Mateus", um dia empunhou um tresoitão para ajudar a surrupiar a assombrosa quantia de NCr$ 108 milhões da antiga Estrada de Ferro Santos-Jundiaí, dinheiro que seria ultilizado no pagamento dos salários dos ferroviários. O memorável assalto (ou "expropriação") ao trem-pagador deu-se no dia 10 de agosto de 1968.

Segundo relatos da imprensa da época, a ação foi fulminante e sem que houvesse sido disparado qualquer tiro. Aloysio era o motorista do Fusca no qual os assaltantes deram o pira com os malotes cheios da grana. Essa, porém, não fora a primeira ação espetacular do braço direito de José Serra. No mesmo ano, ele partipara do assalto ao carro-pagador da Massey-Fergusson, interceptando uma perua Rural Willys da empresa em plena praça Benedito Calixto, no bairro paulistano de Pinheiros.

Ferreira participou destes eventos na condição de guerrilheiro da recém-nascida Ação Libertadora Nacional (ALN), a organização dos líderes comunistas Carlos Marighela e Joaquim Câmara Ferreira, o Toledo. Sabe-se que, após o estrepitoso assalto ao trem, Aloysio escafedeu-se para Paris, onde, dizem, desfrutou de um "exílio de caviar", ao lado do sociólogo da USP Fernando Henrique Cardoso. Após sua volta ao Brasil, em 1979, ingressou no MDB e iniciou sua trajetória política dentro da legalidade.

A despeito da relativa importância de "Mateus" na guerra contra a ditadura, este Cloaca News não pretende desdourar o passado de lutas do atual secretário tucano. Pelo contrário. Apenas ficaremos aguardando que sua heróica biografia seja brindada, com detalhes, aos leitores da Folha de S.Paulo com a mesma pompa e relevância com que foram exumados os episódios envolvendo a Ministra Dilma Rousseff.

fonte: Cloaca News - As últimas do jornalismo de esgoto

A Folha terá interesse em resgatar também o passado deste brasileiro que decidiu participar da resistência armada à ditadura militar? Ou suas atribuições atuais na Casa Civil do governo tucano de São Paulo inviabilizam essa pauta?

Nota: A trajetória de Aloysio Nunes Ferreira Filho na resistência ao regime de exceção da ditadura militar honra aqueles que defendem a legitimidade própria aos regimes democráticos.

3 comentários:

João José de Oliveira Negrão disse...

Meus caros, a Carta Maior postou este texto. Lá, comentei mais ou menos a mesma coisa. Cuidado: daqui a pouco, vamos dizer que "eles" tb têm "terroristas". O problema de Serra (da AP), do Aloysio, do Zé Aníbal, não é o passado; é o presente. Por conta da disputa eleitoral/ideológica não vamos deixar o discurso anticomunista entrar de contrabando no nosso.

Reinaldo disse...

Professor João Negrão:

Não foi a carta maior que postou este texto, foi o blog "Cloaca News", fonte que aparece claramente identificada.

O site Carta Maior - assim como o Bah!Caroço -, reproduziu a postagem do "Cloaca News", acrescentando algumas observações. Exatamete no sentido de que:

"A trajetória de Aloysio Nunes Ferreira Filho na resistência ao regime de exceção da ditadura militar honra aqueles que defendem a legitimidade própria aos regimes democráticos."

Ou seja, sem qualquer pretensão anticomunista ou de revisionismo histórico.

Trata-se de um texto que não é nem mesmo irônico - é claramente jocoso. Para mim, recorda o saudoso Fausto Wolf.

Anônimo disse...

Fala Reinaldão.
Só tô passando prá deixar um abraço e comunicar que "o pulso ainda pulsa" rsrsr. Não vou nem entrar na discussão a respeito da folha corrida de oposicionistas e situacionistas, afinal, como dizia aquela célebre pérola do cancioneiro nacional, " se gritar pega ladrão...".
Enquanto isso, se quiser se emocionar é só olhar prá cima: deve ter um deputado passando agora mesmo com a esposa, sogra, sobrinha, namorado etc... E quem tá pagando a passagem é vc !