05 abril, 2006

Câmara livra João Paulo de cassação, o oitavo absolvido

O ex-presidente da Câmara João Paulo Cunha (PT-SP) é o oitavo deputado envolvido nas denúncias do esquema do "mensalão". O deputado petista é acusado de ter recebido R$ 50 mil irregulares das contas do empresário Marcos Valério de Souza.

João Paulo foi absolvido com 256 votos contrários à cassação, 209 favoráveis, 9 abstenções e 2 votos nulos. Além de ter recebido dinheiro do valerioduto. João Paulo é acusado de ter praticado tráfico de influência com Marcos Valério ao supostamente beneficiá-lo em uma licitação publicitária da Câmara, na época em que era presidente da Casa.

Antes da votação, ao concluir sua defesa, João Paulo fez um alerta aos deputados: "Da forma como estão sendo conduzidos os processos de cassação, hoje sou eu na berlinda, mas amanhã poderá ser qualquer um de vocês."

Agora, todos podem ser absolvidos. E deverão ser restituídos os mandatos de José Dirceu, Roberto Jefferson e quem mais tenha sido cassado. Até os que renunciaram para evitar o processo, deveriam ser reconduzidos ao congresso nacional. Com letra minúscula mesmo.

Nem todos os acusados deveriam ser cassados, pois se dinheiro não contabilizado na campanha for punível com cassação, não fica um em Brasília, nem para apagar a luz.

Deveriam ser suspensos, multados, etc.

E os casos mais emblemáticos, deveriam ser cassados. Como o do Senedor Azeredo (PSDB), pai do mensalão. Roberto Brant (PFL), que recebeu dinheiro da USIMINAS, via Valerioduto, sabe-se lá pra que. E João Paulo Cunha, presidente da câmara dos deputados, que recebeu dinheiro de Marcos Valério e depois o contratou para fazer a publicidade da casa.

Fica a frase, ameaçadora e destinada a antologia do congresso nacional: "amanhã poderá ser qualquer um de vocês..."

Um comentário:

CCCP disse...

Putz! Queimei a língua! Estava crente de que o João "cara-de-aço" Paulo iria ser cassado, só prá aliviar a barra do congresso, ainda mais depois do relatório demolidor do deputado Cesar Schirmer no conselho de ética pela cassação.
Como é fácil ser audacioso protegido pelo voto secreto em plenário hein...
Fico só imaginando a cara do deputado Paulo Rocha do PT, se remoendo por ter sido tão afobado e renunciado ao mandato sem "lutar" como fez o João Paulo e o resto da cambada mensaleira. E a cara do Zé Dirceu ? rsrsrrsrs.
Pena que dessa vez não teve dancinha rsrsrsr.
Com 256 não escapa ninguém,PSDB, PMDB, PL, PP etc etc. O PT sozinho não conseguiria bancar a avacalhação, apesar de o larápio da vez ser mais um dos peixes graúdos de seus quadros.
É por essa e outras que o ceticismo/cinismo desse signatário não param de aumentar.



Duas "questãs":

- quem aposta uma feijoada no Mandalla em que o João Paulo reelege-se (se quiser) em outubro ?

- se vc não é parente de deputado/senador, funcionário, fornecedor "nuixquema", lobista, "recepcionista" (apelido de puta em Brasília) e quetais no congresso, pra que diabos serve aquela merda ?