16 outubro, 2006

Voto obrigatório

O voto obrigatório leva as pessoas às formas mais absurdas de decidir em quem votar.

Um amigo meu estava em dúvida, principalmente entre Lula e Cristovam Buarque. Acreditava que Lula havia feito um bom governo, apesar dos pesares, mas, ao mesmo tempo, entusiasmava-se com a "Educação Prioridade" do candidato do PDT.

Levou a dúvida até a urna eletrônica. Ali, pegou uma moeda e decidiu: "se der cara, voto no Cristovam. Se der coroa, voto no Lula". Para não ser injusto - e como já conhece os governos tucanos - acrescentou "se a moeda não cair, desafiando a lei da gravidade, voto no Alckmin".

Votou no Cristovam Buarque.

Para o segundo turno, já providenciei uma moeda com duas coroas para emprestar ao meu amigo. Não dá pra confiar só na lei da gravidade.

Um comentário:

Octávio disse...

E se a moeda caísse em pé, ele votava na Heloísa Helena?