11 dezembro, 2006

foi-se o general

Morreu ontem o ex-ditador chileno, Augusto Pinochet, sem ter sido julgado pelas 3 mil mortes que causou durante a ditadura que depôs e matou o primeiro presidente socialista democraticamente eleito.

No Chile onde não houve anistia depois do fim do período militar, nós sempre esperamos pela condenação do algoz de trabalhadores e estudantes chilenos, no entanto, Pinochet morreu serenamente sem sofrer e será sepultado com honras militares.

A morte do ex-ditador escancarou a divisão existente na sociedade chilena entre apoiadores e opositores da ditadura, centenas de pessoas saíram às ruas e se encontraram em frente ao palácio presidencial de La Moneda para comemorar sua morte, enquanto uma outra multidão foi ao Colégio Militar de Santiago dar uma última despedida a Pinochet, uma das faixas em seu apoio dizia "Obrigada por dar sua vida ao Chile, meu general".

A deputada Isabel Allende, filha do presidente deposto pelo golpe de 1973, Salvador Allende, declarou que a morte de Pinochet não pode impedir o julgamento dos outros responsáveis pelas atrocidades cometidas até 1990.

6 comentários:

Carlos Marques disse...

O título mais adequado para esta postagem não é "foi-se o general".

É "Fodeu-se o carniceiro".

Já não era sem tempo.

Reinaldo disse...

2007 não foi um ano tão ruim.

Morreram o Coronel Ubiratan, Pinochet, entre outros.

E acabei de saber que o Maluf quebrou o pé.

Mauricio disse...

Será que gangrena?

Anônimo disse...

A morte foi muito pouco,para quem destruíu:sonhos,a integridade humana,famílias,vidas,esperanças...A morte desse ser,parece ter mais relavância do que as pessoas que foram exterminadas por esse carrasco da ditadura.

Zé Maria disse...

Vamos lançar a comunidade no orkut: "quero que o pé do Maluf infeccione"

J. R. Abraham disse...

Esse escapou ileso da Justiça, mas dizem que ele já encomendou um abanador, pois sua próxima parada será num quase-paraíso tropical. Desértico, eu ousaria dizer.