01 outubro, 2007

Preservação da memória da colônia espanhola em Sorocaba (Casa de España Dom Felipe II)

Casa de España Dom Felipe II

Sorocaba recebeu a partir do final do século XIX um grande influxo de imigrantes europeus, principalmente espanhóis e italianos que vieram trabalhar na indústria sorocabana. As vilas operárias criadas nos arredores das fábricas deram origem aos bairros mais próximos do centro como Barcelona, Trujilo, Santa Rosália, etc. Durante a primeira metade do século XX Sorocaba teve um movimento operário muito forte, acredita-se que opção dos operários pelo anarquismo deu-se, em grande parte, pela influência dos movimentos anarquistas espanhol e italiano.

No entanto, no processo de formação e construção da memória em Sorocaba a história dos operários foi apagada juntamente com a história da colônia espanhola. Hoje referimo-nos ao passado de nossa cidade como "Manchester Paulista", até poucas décadas, devido ao movimento operário, essa identidade dividia espaço com uma outra cidade, a "Moscou do Brasil", nesse processo de esquecimento e enaltecimento da cultura da elite, os traços da imigração espanhola foram também apagados.

No sentido de preservar e resgatar a memória da colônia espanhola esta sendo criada a Casa de Espanha Dom Felipe II, por iniciativa da ong Memória Viva.

Entrevistei Sérgio Aranha, presidente da Memória Viva, para o Bah! Caroço neste final de semana, um diálogo bastante agradável e instrutivo:

Bah! Caroço:
Qual é a finalidade da Casa de Espanha, e como surgiu a iniciativa?

Memória Viva: Retribuir aos espanhóis e seus descendentes o muito que eles fizeram por Sorocaba. A iniciativa surgiu numa das reuniões feitas pela produção da peça Do Outro Lado do Rio, que vai estrear no final de outubro (Mário Pérsico). Essa reunião era uma palestra do jornalista e historiador Sérgio Coelho, foram três palestras com ele. As palestras eram abertas a todos que quisessem ir. Numa dessas reuniões surgiu a discussão sobre a pouca representatividade dos espanhóis em Sorocaba, a perda da identidade e saiu dessa discussão a idéia de formarmos uma Casa de Espanha em Sorocaba.

Bah! Caroço: Em que consiste o acervo?

Memória Viva: A CASA DE ESPAÑA DON FELIPE II é na verdade um centro cultural, que abrigará diversas atividades, como por exemplo : museu da imigração espanhola, com acervo a ser conseguido junto a colônia espanhola, biblioteca, palestras, comemoração de datas nacionais, aulas de espanhol, aulas de danças típica, museu da pessoa (filmarmos os mais antigos do bairro) histórias de vidas, um pequeno restaurante com bebidas e comidas típicas, etc...

Bah! Caroço:
Como surgiu o nome Dom Felipe II?

Memória Viva: trata-se do soberano espanhol que unificou as coroa de Portugal e Espanha e reinou quando do início da fundação de Sorocaba, para isso consideramos o início da fundação de Sorocaba com Antonio Sardinha procurando ouro nos morros de Ipanema e a fundação da Vila de São Felipe. A partir de 1589 ou 1590.

Bah! Caroço:
Quando se iniciou a colônia espanhola em Sorocaba?

Memória Viva: Sergio Coelho no seu livro Os Espanhóis, nos diz que começou entre 1885 a 1890.

Bah! Caroço: E o movimento operário, um grande número de espanhóis vieram para Sorocaba trabalhar na indústria, o movimento em Sorocaba teve grande viés anarquista, você acredita que isso tenha ocorrido em decorrência da colônia espanhola?

Memória Viva: Riquíssima a história do movimento operário em Sorocaba. Graças à colônia espanhola e italiana tivemos um grande e representativo movimento anarquista aqui. Sou fã o do Perdigão e da Salvadora, e quero homenageá-los com salas com os seus nomes na Casa de Espanha.

Bah! Caroço: O que resta da cultura espanhola em Sorocaba hoje?

Memória Viva: Infelizmente muito pouco, esse é dos motivos para fundarmos a Casa de Espanha, vamos resgatar as tradições perdidas e a identidade cultural dos espanhóis e seus descendentes.

Bah! Caroço: Quase todas as cidades que receberam um grande fluxo de imigrantes possui uma política de preservação desta memória, Sorocaba nesse ponto engatinha, por quê você acha que isso acontece?

Memória Viva: Sorocaba cidade sem memória, depois de termos destruído quase todo o nosso patrimônio edificado, de perdermos quase totalmente a nossa identidade cultural, o nosso sotaque caipira, só nos resta o caminho da preservação do patrimônio cultural, veja o trabalho da ong Memória Viva, assista os nossos programas na TVCOM de Sorocaba, as segundas- 21,00 horas, quartas - 19,00 horas e aos sábados - 14 horas.

Bah! Caroço: Como se tornar membro da Casa de Espanha?

Memória Viva: Qualquer pessoa pode ser associada, a partir do dia 06 de outubro, às 10,00 horas, na assembléia de fundação, compareçam. Vai ser na AEAS (Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Sorocaba) rua Piauí, 81, uma festa espanhola, com certeza.

_________________________
Sergio Benedito Abibe Aranha é Mestre em Engenharia Civil pela FEC da UNICAMP. Presidente da ong Memória Viva e da Comissão de Fundação da Casa de Espanha

2 comentários:

Daniel Lopes disse...

Bela entrevista!!
Parabéns, Fabio!!!

Orgulho de ser Vila Hortência!!!

Anônimo disse...

Parabéns pela entrevista.A colonia espanhola merece mais reconhecimento dos sorocabanos. Minha sugestão é que a Vila Hortência adotasse o nome Vila de Espanha, nada mais justo. Fica aí minha sugestão aos nosso vereadores..