26 janeiro, 2008

Sorocaba é do Senhor Jesus?

Não!

Esta foi a resposta que o portal do jornal Cruzeiro do Sul obteve numa enquete na última semana para a pergunta "Você concorda com a frase 'Sorocaba é do Senhor Jesus Cristo' no marco religioso na entrada principal da cidade?"

Dos 219 votos na enquete, 119 (54%) foram para o não, outros 86 internautas disseram sim e 14 afirmaram que "tanto faz". Como Sorocaba é um macondo perdido onde impera o conservadorismo, o jornal retirou a enquete do ar, complicando ainda mais a situação.

A polêmica sugiu em 2006 quando os sorocabanos passaram a conviver com um marco que afirma a predileção dos sorocabanos pelo cristianismo, na principal entrada da cidade.

Para muita gente este foi um flagrante desrespeito à diversidade religiosa, afinal, se Sorocaba fosse do "Senhor Jesus" como ficariam os budistas, hinduístas, judeus, muçulmanos, animistas e agnósticos? Apesar de serem minoria não gostaram de ver o poder público mostrar sua preferência por uma religião em detrimento de outras em um Estado que supostamente seria laico.

Afinal, um marco numa praça pública, seja lá quem tenha pago a construção é um monumento oficial.

O que a polêmica que se seguiu mostrou foi que, uma parte da população e o poder público acreditam que a diversidade religiosa se resume ao convívio entre católicos e evangélicos, ignorando assim todas as demais crenças.

Que faz o movimento anarquista!

No Sábado a enquete foi zerada e reiniciada, o jornal afirmou que "(...) a equipe técnica do Cruzeiro do Sul deverá implementar melhorias para tornar o resultado da pesquisa mais claro (...)".

De a sua opinião na nova enquete aqui

5 comentários:

Marta disse...

Haha. Sorocaba sempre foi notabilizada pelo ridículo, e dessa vez não seria diferente. Mas eu tenho uma solução DEMOcrática, deixem os filhos do senhor Jesus Cristo colocarem sua placa, e logo abaixo, em vermelho podemos escrever: E do Senhor Capeta também! Haha. Eu morro e não vejo tudo, e se morrer, depois dessa, é provável que me mandem para o inferno.

Sorocabano disse...

ola realmente confesso que não sou muito fã desta placa, afinal cada um com a sua crença, não é? mas que bom seria se fosse mesmo!
afinal, Feliz é a nação cujo Deus é o Senhor!!!
com certeza que se fosse do Capeta como disse a nossa companheira MArta logo acima, Sorocaba não estaria no Ranking de uma das melhores cidades do Brasil para se viver!
Se fosse do Capeta, estariamos ferrados!!!!
Grande abraço a todos!!!!

Marta disse...

Meu querido sorocabano,sinto informá-lo que você mora no inferno e não se deu conta!Mas eu não culpo -lhe pela ignorância(ou pela falta de crítica),eles te fizeram acreditar nisso!Não é que Sorocaba(nasci em sorocaba e vivi dezeseis anos na cidade,hoje eu moro em Curitiba e falam a mesma baboseira) seja umas das melhores cidades para se morar,ela é menos pior que as outras.Enquanto não houver humanismo,continuar com as desigualdades sociais,com os desníveis sociais cada vez mais contrastantes,o desemprego estrutural,as injustiças irreparadas,a banalização da vida,falta de liberdade...Sorocaba vai continuar sendo como outra qualquer cidade do Brasil,tá um pouquinho melhor,pode até ser,deram uma maquiada no tecido urbano,mas isso não faz dela uma cidade melhor!O que faria ela ser melhor é seu povo saber conviver com as diferenças,respeitando o seu irmão,afinal a cidade é de todos e de todas as crenças!
Não quis ofender nenhuma crença,nenhuma religião até porque acho que Jesus foi um cara legal fez seu melhor possível!O que me irrita mesmo é que o homem é o maior culpado pelas atrocidades no mundo e acaba jogando a culpa em seres inexistentes deixando a responsabilidade à Deus para cuidar do mundo,do lugar em que vive!
Eu se fosse deus estaria já de saco cheio e falaria:"Eu construí esse mundo maravilhoso para vocês com uma natureza exuberante,comecem refletir e mudar a postura,indagar sobre a possibilidade de equilíbrio nas relações entre o indivíduo,a sociedade
e a natureza.Se respeitem!"
Ver uma criança pedir esmola no sinaleiro(sem perspectiva de vida),uma pessoa pedir comida na porta da minha casa, isso sim é estar no inferno.

Anônimo disse...

O Estado laico é fundamento da República
Por Gilberto Garcia em 10/5/2005

O Estado brasileiro, desde 1891, com a instituição da República, deixou de ser um Estado confessional, sendo, há mais de um século, laico. Ou seja, os poderes Executivo, Legislativo ou Judiciário, em todos os seus níveis, estão constitucionalmente – como contido nos artigos 5º, Inciso VI, e 19º, inciso I, da Carta Magna de 1988 – proibidos de professar, influenciar, ser influenciados, favorecer, prejudicar, financiar qualquer vertente religiosa, pois não existe religião oficial em nosso país. É este, entre outros, um dos fundamentos da República Federativa do Brasil.
Desta forma, independentemente da quantidade de fiéis, tempo de existência ou do patrimônio que uma religião possua, todas as manifestações de religiosidade ou credo – seja evangélico, católico, espírita, judaico, oriental, muçulmano etc., bem como ateus, humanistas e agnósticos etc. – gozam nas questões de fé de igual proteção do Estado laico.
O fato ocorrido em Goiás envolvendo a Primeira Igreja Batista de Goiânia, que é uma instituição privada, fruto da expressão de fé de seus integrantes, associados eclesiásticos, sendo por estes mantida, é sintomático na medida em que o Judiciário, em nosso entender, interveio numa questão interna da organização religiosa, interna corporis, quando determinou a realização de cerimônia de casamento de uma integrante que não atendia aos preceitos religiosos com relação ao pacto divino que é o casamento, defendidos pela igreja, à luz das Sagradas Escrituras.
Enfatize-se o prisma espiritual da realização do enlace matrimonial religioso pela igreja, que também é uma manifestação de fé integrante de seu corpo de doutrinas, as quais todos os fiéis se submetem ao adentrar a membresia de uma comunidade religiosa, como contido no Estatuto Social, e expresso na Bíblia Sagrada, que é regra de fé e prática dos cristãos.
Alerta à imprensa
Desta forma, a igreja, ao não autorizar o casamento de um membro que descumpriu sua normatização interna, exerceu seu direito enquanto organização religiosa. Por outro lado, o Judiciário, ao contrariar essa deliberação eclesiástica impondo, no exercício legal de sua autoridade, a realização da cerimônia, data venia, extrapolou seus limites constitucionais.
Entendimento também expresso, na mídia nacional, pelo ministro Edson Vidigal, presidente do Superior Tribunal de Justiça, maior instância do Poder Judiciário infraconstitucional do país, ao comentar o caso declarou que, "O Estado brasileiro não pode interferir em normas da igreja, porque é laico, não tem religião.".
Adicione-se que o Novo Código Civil estabelece que é direito da organização religiosa, na condição de pessoa jurídica de direito privado, auto-regulamentar-se, criando normas internas de funcionamento, sobretudo regramentos que atinem especificamente sobre questões eclesiásticas, religiosas, espirituais, de fé, que devem estar contidas no Estatuto Social da Igreja, sendo que estas não podem contrariar a ordem jurídica vigente, respeitando a dignidade da pessoa humana, à qual estão sujeitos todos os fiéis, membros, congregados e freqüentadores.
Daí a imperiosa necessidade de usufruir da prerrogativa legal da auto-regulamentação e proceder com brevidade, ainda que não haja prazo obrigatório, a adequação do Estatuto Social da Igreja, eis que os antigos foram elaborados sob a égide do Código Civil de 1916, que está revogado.
Alertamos a imprensa e nossos irmãos: como os cidadãos da pátria terrestre, estamos todos submetidos à ordem jurídica vigente. Por isso, as igrejas, com exceção das questões eclesiásticas, religiosas, espirituais, de fé, como qualquer instituição que congrega pessoas, nos assuntos associativos, financeiros, patrimoniais e administrativos permanecem, como sempre estiveram, sob o crivo do Estado, munus (prerrogativa) concedido pela sociedade civil organizada, em que todos estamos inseridos, no exercício de nossos direitos e cumprimentos de nossos deveres, sobretudo nós, os cristãos.
"Bem aventurados os que observam o direito, que praticam a justiça em todos os tempos". (Sal. 106:3)

Anônimo disse...

eu nao sei que falar acho que colocaram esta placa so pra chamar atençao do povo eu sou sorocaba amo minha cidade eles so colocaram para abençor a nossa cidade maravilhos a que sorocaba