11 abril, 2008

Binho Rondinelli


O Binho faleceu há uma semana. É parte da história do Esporte Clube São Bento. Da história de Sorocaba.
Seus filhos e eu estudamos no mesmo colégio. O caçula é meu irmão do peito, o Gutão!
Um blog que se propõe a falar de Sorocaba, tem a obrigação de contar um pouco do Binho. Folclórico, inteligentíssimo, ótimo papo!
Ontem, na missa de sétimo dia, os filhos passaram um filme com algumas fotos e uma filmagem surpreendente.
Binho tocava piano!
Pois bem, aparecia ele tocando piano, de bermudão, sem camisa, interrompia repentinamente e dizia:
- Tá bom já! Vamô pará com esta porra e vamô bebê!!!
O Binho cuidava de um projeto social de futebol para crianças lá no Barcelona. Clube famoso na várzea sorocabana. Conversando com um ex-aluno seu na categoria de base do São Bento, hoje, morando e jogando nos Estados Unidos, dizia ele que Binho era um motivador, valorizava a amizade entre todos e não foram poucas as vezes em que pôs dinheiro seu no time.
Quando do falecimento de José Pereira Cardoso, fundador da Fadi, Binho foi comigo ao velório. Embora sempre extrovertido, era um cara muito respeitoso. Pediu para que eu esperasse se vestir e surpreendentemente para mim, saiu de terno e gravata:
- Pronto, Lopão! Bora!
Não me esqueci disso. E no seu velório, senti a obrigação moral de ir vestido do mesmo jeito.
Há duas situações que tomo a liberdade de contar aqui no blog, que marca bem o estilo de encarar a vida do Binho. Ele tinha a língua presa. Seus amigos viviam brincando com ele em virtude disso.
Certa vez, havia uma grande construção em um terreno nos fundos da casa dele. Quando começaram a fazer a fundação, a parede de trás de sua casa desabou. E depois o quintal. Durante o ocorrido, Gutão tomava banho bem sossegado e ouviu os barulhos, mas jamais poderia imaginar que a casa estava caindo. Tiveram que sair de lá rapidamente. Toda a casa poderia desabar. Foram morar na chácara da família. Ótimo para os amigos. Excelente para confraternizar! E dizia ele pra mim, com a língua presa:
-Cagalho, Lopão! Imaginou se aquela pogga cai com o Gutão pelado!
A situação era muito séria, mas ele contando era engraçadíssimo!
Em outra oportunidade, já na chácara. Um amigo - que não autorizou a divulgação do nome - , namorava intensamente com sua "paquera" e sentiu a necessidade de buscar um preservativo. Três da manhã. Todos dormindo. A solução era acordar o Binho. Pois lá foi ele:
-Binho! Binho! Acorda aí! Preciso de uma camisinha! - e respondeu Binho, em tom escandaloso e sempre engraçadíssimo:
-Cagalho, Fulano! Triguês horas da manhã! Vem me pedir camisinha! Nunca usei esta pogga na minha vida! - e soltou seu chingamento mais peculiar:
-Vai tomar no vosso cu e deixa eu dormir!
Binho era nosso Zeca Pagodinho!
Professor da vida alegremente vivida!
Vai com Deus, Binho!

Um comentário:

rodrigo disse...

falar do Binho, é simplesmente falar de uma das unicas pessoas serias e honestas q passaram pelo são bento, tanto como pessoa e como treinador sempre foi uma referencia pra os mais novos. com toda certeza toda sorocaba, e todo futebol de sorocaba sentirão a falta do Binho. é nessas horas que ficamos pensando,porque Deus sempre leva os bons por primeiro e deixa os pessimos exemplos por ultimo. Binho na onde voce estiver, um grande abraço!!!!!