04 abril, 2007

Amigo-inimigo

O Jornal britânico “The Independent” divulgou hoje que em 11 de janeiro, os EUA lançaram um ataque com forças especiais no norte do Iraque – Curdistão, visando seqüestrar dois alto funcionários das forças de segurança do Irã, em visita oficial ao país.

Mohammed Jafari, chefe do Conselho de Segurança Iraniano, e o general Minojahar Frouzanda, chefe do serviço de inteligência da Pasdaran (Guarda Revolucionária iraniana). Os dois haviam se encontrado com o presidente Iraquiano, Talal Talabani, e com governo regional do Curdistão e escaparam do ataque por muito pouco.

Está explicado o motivo de os presidentes Bush e do Tony Blair terem ficado quietinhos quando o Irã capturou os soldados britânicos no Golfo Pérsico, semana passada - rabo preso!
Por outro lado, o evento de 11 de Janeiro mostrou o quanto os EUA desrespeitam o governo iraquiano imposto por eles, a visita era oficial, e ainda, o ataque foi realizado contra um escritório de cooperação Irã-Iraque, não contra uma esconderejo terrorista.

No Curdistão, não há rebeldes sunitas, nem milícias xiitas, mas o governo norte-americano apóia a guerrilha curda contra o seu governo, que por sua vez esta estreitando os vínculos com o Irã.

2 comentários:

Reinaldo disse...

Hoje o governo do Irã libertou os marinhos britânicos, que agradeceram pelo "perdão" recebido.

A Rainha foi humilhada pelo Aiatolá.

Quem gosta de história há de recordar do grandioso império, onde o "sol nunca se põe".

Fábio Correa disse...

Pois é,

um golpe de mestre do presidente do Irã, desmoralizou a rainha e saiu sorridente na foto junto aos soldados.