29 outubro, 2007

O mito da criação sob a perspectiva de um Deputado Federal

Por Marconi Leal

No princípio era a Verba. E Deus disse:
— Faça-se a luz!

E não aconteceu absolutamente nada. Então Deus, que não é dos mais pacientes e, por muito menos, ainda iria exterminar os dinossauros, inventar a gripe asiática e dar a idéia da Fanta Uva, disse:

— Faça-se a luz, porra! Eu tô mandando!

E Deus criou o eco, mas a luz não apareceu. E um anjo surgiu das trevas e disse:

— Ué? Pede pra aparecer e acha que ela aparece, é? Tá pensando que é quem? O ACM? Não é assim não, Pai. Vamo dividindo essa Verba que dá pra todo o mundo.

E Deus achou justo e disse:

— Faça-se a licitação para criar a luz!

E dez anjos se apresentaram. Então um deles deu a idéia de aumentar o preço da obra em cem vezes, ganhar a concorrência e dividir o dinheiro entre os demais. E os outros acharam bom.

E o vencedor disse:

— Pronto, Pai. Vou fazer o Sol, um negócio que será um espetáculo: totalmente livre de raios ultravioleta, sem explosões, imóvel e quadrado.

E Deus achou passável e disse:

— Vê se apronta tudo isso até o sexto dia, que no sétimo eu quero ir pra praia e vou sair cedo, porque a Marginal está impraticável.

Então, em sua magnanimidade, pegou o seu exemplar de “Guerra e Paz”, que vinha lendo desde o princípio dos tempos e já estava quase na metade, e se recolheu a um canto do infinito para esperar.

E, no tempo aprazado, voltou para apreciar a obra, de bermudão e Havaianas, e encontrou, em vez do Sol, um grande lampião a gás que orbitava em torno da Terra. E Deus não achou nada bom e gritou:

— Que merda é essa?
— Bom, Pai, com aquela pequena Verba que o Senhor deu, foi o que se pôde arranjar.
— Um foguinho ridículo desses?
— Não solta muito ar pela boca que ele apaga.

E Deus xingou e amaldiçoou e bateu o pé. Mas, como não teve outro jeito, acabou liberando mais Verba.

Nove bilhões, quatrocentos e noventa e oito milhões, novecentos e trinta e quatro mil, duzentos e oito anos se passaram. E Deus já tinha entrado no cheque especial e feito mais de uma centena de empréstimos consignados. Estava com o nome sujo desde Órion até Andrômeda e a obra não ficava pronta.

Então Deus disse:

— Deixa essa porcaria como tá! Chega! Mas tu me paga, anjo safado! Ah, tu me paga!
— Nã-não, Senhor! Por favor! O Senhor vai me mandar pro Inferno?!
— Pior. Vou mandar você e os outros pro Brasil!


E Deus enviou os anjos para a América do Sul. E eles se multiplicaram. E Deus criou a imunidade parlamentar.

3 comentários:

Daniel Lopes disse...

Sensacional!

david santos disse...

Por favor!
Faz alguma coisa pela "justiça" brasileira.
Flávia vive em coma e a "justiça" brasielira também.

Obrigado

Anônimo disse...

?